Pesquisa do BC aponta perspectiva maior para inflação

O mercado voltou a mostrar ligeira alta nas estimativas de inflação, segundo a pesquisa que o Banco Central (BC) realiza semanalmente entre um grupo de aproximadamente 80 instituições financeiras. A projeção do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 2003 passou de 9,65% para 9,68%, enquanto a previsão para 12 meses à frente elevou-se de 6,50% para 6,55%. A estimativa para o IPCA de setembro subiu de 0,69% para 0,70% e a expectativa para outubro aumentou de 0, 50% para 0,53%. A única exceção nessa tendência de alta foi a previsão de IPCA para 2004, que foi mantida em 6,20%. A pesquisa identificou ainda uma piora na expectativa do mercado para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2003, que caiu de 0,74% para 0,71%. Em contrapartida, a projeção para 2004 melhorou, com as instituições aumentando para 3,13% (ante 3,10% na pesquisa anterior) a estimativa de expansão da atividade econômica. Recursos externos e balança comercialTambém houve ligeira melhora na expectativa de ingresso de investimentos externos neste ano, que passou de US$ 8,50 bilhões para US$ 8,65 bilhões. Apesar da alta, o valor continua abaixo dos US$ 10 bilhões previstos pelo BC. A expectativa para 2004 permaneceu em US$ 12 bilhões.Melhorou também a previsão do mercado para a balança comercial. A estimativa das instituições para 2003 subiu de US$ 20,50 bilhões para US$ 20,90 bilhões de superávit. E para 2004 a previsão passou de US$ 16 bilhões, no levantamento anterior, para US$ 16,50 bilhões. JurosO mercado financeiro também reduziu, de 17,5% para 17,35% ao ano, a projeção para a taxa básica de juros, a Selic, para o final deste ano. A previsão para o fim de 2004, no entanto, continuou em 15% ao ano. A estabilidade também prevaleceu na estimativa da Selic para o fim de outubro. A previsão de 19% embute expectativa de queda de um ponto porcentual dos juros na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.