Pesquisa do BC prevê redução de 1,75 ponto na Selic em 2009

A inflação menor e o ritmo mais fraco da economia têm reforçado as apostas de redução do juro em 2009. Pesquisa semanal feita pelo Banco Central com cerca de 80 analistas mostra que o mercado financeiro aumentou pela quarta semana seguida a previsão de corte da taxa Selic para o próximo ano. Para os analistas, o juro deve cair 1,75 ponto porcentual no decorrer de 2009 para terminar o ano em 12% ao ano. Na semana passada, a previsão era de uma redução de 1,5 ponto. Na visão do mercado, os cortes devem começar na primeira reunião do ano do Comitê de Política Monetária (Copom), nos dias 20 e 21 de janeiro, quando a Selic deve ser reduzida em 0,25 ponto, para 13,5% ao ano. Desde o início de dezembro, a expectativa de desaperto monetário tem crescido rapidamente. Há quatro semanas, o mercado previa que o juro cairia apenas 0,25 ponto porcentual durante 2009. Mas os índices de inflação sob controle e os sinais de desaceleração da atividade econômica aumentaram a expectativa de corte da taxa - apesar da preocupação com outros fatores que tendem a empurrar os preços para cima, como a forte desvalorização da taxa de câmbio. Na pesquisa divulgada ontem, a previsão de alta para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 2009 recuou de 5,02% para 5%. O IPCA é o índice que baliza a política de metas de inflação. Com essa redução, a segunda seguida, a inflação esperada para 2009 se aproxima ainda mais do centro da meta para o ano, que é de 4,5%. Para o IGP-M, porém, a expectativa dos analistas das instituições financeiras não sofreu alteração na comparação com a semana anterior e se manteve em 5,5%. Há um mês, no entanto, o mercado projetava IGP-M de 6% em 2009. Ou seja, também nesse indicador a expectativa é de desaceleração. O mercado ajustou, ainda, a estimativa de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) em 2009, de 2,4% para 2,44%. Apesar dessa leve alta, a estimativa de crescimento de 2009 é menos da metade da prevista para 2008, ano em que a economia deve ter expansão de 5,6%. O enfraquecimento da atividade econômica é um fator que age no sentido de inibir aumentos de preços. Já a previsão para a cotação do dólar no fim de 2009 subiu de R$ 2,20 para R$ 2,25, ante estimativa de R$ 2,15 na pesquisa feita há quatro semanas. Mas os analistas mantiveram a estimativa de que o câmbio deve ter taxa média de R$ 2,25 no decorrer de 2009.

Fernando Nakagawa, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

29 Dezembro 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.