Pesquisa do IBR mostra ritmo de contratações menor

O ritmo de contratações das empresas brasileiras caiu no terceiro trimestre deste ano em comparação ao segundo, segundo pesquisa trimestral do International Business Report (IBR) 2012, da Grant Thornton International. O levantamento mostra que 38% dos empresários consultados afirmaram ter feito contratações ao longo dos 12 meses encerrados no terceiro trimestre de 2012, contra 44% dos entrevistados no segundo trimestre, que diziam ter contratado nos últimos 12 meses. A IBR é uma pesquisa feita em 40 países que engloba 12 mil empresas e analisa o volume de contratações no período de 12 meses.

GUILHERME WALTENBERG, Agencia Estado

28 de novembro de 2012 | 13h09

Apesar da queda, o Brasil foi o sexto país com maior número de contratações entre os que participaram do estudo, ficando atrás da Índia (58%), Turquia (54%), dos Emirados Árabes, da Bósnia (ambos com 52%) e Tailândia (44%). Na contramão, países como Grécia (-36%), Espanha (-19%), Itália e Polônia (ambos com 0%) e França (4%) apresentaram um panorama adverso de emprego.

Em nota, o sócio da empresa, Paulo Sérgio Dortas, diz que a escassez de trabalhadores mais qualificados afeta as decisões de contratação. "O governo precisa tomar medidas ligadas ao aumento da produtividade e qualificação da mão de obra. O nível de desemprego do País está baixo, mas os altos custos para produzir, somados a uma lacuna de mão de obra qualificada, não estimulam os empresários a fazer novas contratações", disse.

Ainda de acordo com o IBR 2012, 27% dos empresários brasileiros pretendem aumentar o salário dos seus funcionários no próximo ano. O porcentual está acima da média global, de 11%. Entre os executivos entrevistados no Brasil, 63% disseram que elevarão a remuneração em linha com a inflação e apenas 5% revelaram que não devem dar aumentos reais a seus funcionários.

Tudo o que sabemos sobre:
contrataçõespesquisaIBR

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.