Pesquisa identifica as prioridades pós-pandemia
Conteúdo Patrocinado

Pesquisa identifica as prioridades pós-pandemia

Expectativa é de que agilidade vista durante a crise sanitária vire uma característica intrínseca da organização

McKinsey, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

22 de novembro de 2021 | 08h00

Fomentar um ambiente de dinamismo e de velocidade para lidar com as transformações nos negócios é uma das cinco prioridades dos CEOs para o “novo normal” pós-pandemia, identificadas na pesquisa global What Matters Most? (“O que importa mais?”), publicada recentemente pela McKinsey. Trata-se também de um guia sobre como as corporações devem agir diante da missão de desenvolver novos negócios.

Ao ouvir líderes ao redor do mundo, a pesquisa constatou que há a expectativa de que a agilidade vista durante a pandemia seja incorporada como uma característica intrínseca da organização. As ações criativas e inovadoras que surgiram impulsionadas pela necessidade de adaptação à crise da covid-19 e pelo senso de urgência precisam emergir também em tempos de “normalidade” – entre aspas, porque o ritmo das mudanças está tão acelerado que talvez nunca mais possamos chamar qualquer período de normal. A velocidade é como um músculo que precisa ser sempre exercitado, compara o estudo.

Outra das prioridades identificadas é a sustentabilidade, compreendida como um requisito obrigatório para o desenvolvimento de produtos e de serviços. Trata-se de uma resposta obrigatória das empresas às exigências do mercado, dos investidores e dos consumidores, além de ser um fator-chave de competitividade a longo prazo. As organizações brasileiras estão descobrindo tudo isso com maior ênfase por conta da disseminação recente do conceito ESG no mercado nacional.

Propósito e  flexibilidade

Outra prioridade para CEOs no período pós-pandemia é explorar as oportunidades oferecidas pela computação por nuvem. Com uma capacidade de processamento de dados muito maior do que a dos sistemas tradicionais, a computação por nuvem pode aproveitar todo o potencial de analytics, automação e inovação e levar o processo de criação de novos produtos e serviços a novas esferas.

Nesse universo de trabalho cada vez mais permeado por automação e inteligência artificial, o setor de recursos humanos assume a importância estratégica de desenvolver talentos e investir em papéis e habilidades críticas. Além disso, o novo cenário pós-pandemia pede relações mais flexíveis, menos hierárquicas e mais diversas, o que pode exigir, em muitos casos, uma revisão da cultura interna.

Os líderes precisam compreender, conclui a pesquisa da McKinsey, que as pessoas desejam cada vez mais encontrar um significado para o trabalho e para suas vidas, sem que as duas dimensões estejam desconectadas uma da outra. Esse entendimento leva a vantagens objetivas, pois várias pesquisas já demonstraram que organizações com forte senso de propósito obtêm desempenho superior.

55% dos executivos veem novos negócios como uma prioridade

85% dos altos executivos consideram que conseguem viver seus propósitos no trabalho

 

Sustentabilidade no processo de definição da estratégia

É impossível pensar na evolução dos negócios que já existem, ou em desenvolver novos negócios, sem considerar os parâmetros de sustentabilidade estabelecidos pelo conceito ESG, composto pelos pilares Ambiental, Social e Governança. Além da identificação de oportunidades ao cumprir as expectativas dos investidores e dos consumidores, trata-se de gestão de risco: empresas sem parâmetros claros de atuação nos diversos indicadores relacionados a esses pilares ficam mais vulneráveis a crises, abalos reputacionais e boicotes.

“Para fazer da sustentabilidade um verdadeiro problema em toda a organização e um pilar da estratégia da empresa, CEOs e executivos seniores devem liderar no front”, afirma o estudo da McKinsey. Três ações básicas podem orientar esse processo de forma eficaz: incorporar a sustentabilidade no processo de definição da estratégia, moldar o portfólio para que reflita uma estratégia integrada e escalar as práticas sustentáveis de negócio por meio de uma transformação ampla e completa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.