Pesquisa mostra "desastre" do investimento em logística

Um levantamento do Centro de Estudos em Logística, ligado à Universidade Federal do Rio de Janeiro, revela que o investimento em logística no Brasil despencou para 0,15% do Produto Interno Bruto (PIB), no ano passado. Segundo Paulo Fernando Fleury, diretor do centro, o porcentual mostra que o investimento no setor é um "verdadeiro desastre" no País. Para se ter uma idéia, na década de 70, a média anual de recursos destinados à logística representava 1,8% do PIB. Apesar da pouca significância que os números atribuem ao setor, a logística brasileira movimenta R$ 213 bilhões ao ano, o que equivale a 12,1% do PIB. Na avaliação de Fleury, embora o valor movimentado seja bastante significativo, "o Brasil convive com um sério desequilíbrio na matriz de transportes e com problemas graves de ofertas". Importância do setor Um outro número da pesquisa revela, ainda, a importância do setor para a indústria e o comércio. Um total de 95% dos empresários acha que a logística seria uma grande vantagem competitiva para as suas empresas. No entanto, salientou o diretor, "estamos diante de uma situação bastante aflitiva, resultado de mais de uma década em sub-investimento em infra-estrutura de transportes". Fleury destacou ainda um outro dado para ilustrar a crise dos transportes no Brasil. O País tem 165 mil quilômetros de estradas pavimentadas, contra 1,5 milhão de quilômetros de estradas não-pavimentadas. Uma grande ameaça à logística brasileira está também na tendência de crescimento do tamanho dos navios para contêineres. Apenas três, dos 13 portos brasileiros - Suape (PE), Pecém (CE) e Sepetiba (RJ) - têm condições de receber navios de quinta geração, com calado de 13,5 metros. Os dados foram apresentados no 2º Fórum de Economia da Fundação Getúlio Vargas, realizado na capital paulista.

Agencia Estado,

13 Setembro 2005 | 18h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.