Estadão
Estadão

Pesquisa mostra quais são os supermercados mais baratos do Brasil

Economia em um ano de compras pode chegar a RS$ 2,2 mil se o consumidor escolher as lojas que oferecem os menores preços

O Estado de S. Paulo

08 Dezembro 2014 | 09h08


SÃO PAULO - Procurar o supermercado mais barato na hora de fazer compras pode significar uma economia de até R$ 2,2 mil em um ano em São Paulo, segundo pesquisa feita pela Proteste Associação de Consumidores.

O décimo levantamento anual de preços dos supermercados brasileiros realizado pela associação mostra quais são os supermercados mais baratos do Brasil por região.

O ganho de até R$ 2,2 mil é possível se o consumidor optar por comprar os produtos de uma cesta determinada de 90 produtos, sem marca definida, no supermercado Dia  da Avenida do Cursino, 840, ao invés do Supermercado Vip da Rua Monte Serrat, 1.520, durante todo o ano.

Considerando uma cesta mais completa com 104 itens, a economia anual é um pouco menor: R$ 1,6 mil. Nesse caso a maior economia ocorre se o consumidor optar pelo Atacadão da avenida Marechal Tito, 2501, ao invés do supermercado HP Horizonte da Rua Bom Pastor, 1674.

Os supermercados da cidade de Florianópolis aparecem como vilões dos preços médios, entre as 19 cidades pesquisadas. O consumidor catarinense que não abre mão de produtos de marcas líderes de venda, ou mesmo aquele que busca os produtos mais baratos, gasta 14% mais do que os consumidores do Rio Grande do Norte, onde foi encontrado o menor preço médio para a cesta de 104 itens.

Em média, o consumidor de Santa Catarina desembolsou R$ 426,83 na compra dos 104 produtos da cesta composta de produtos de marcas líderes. No Rio Grande do Norte, onde foi encontrado o preço mais baixo, o consumidor precisou de R$ 369,13 para adquirir a mesma cesta.

Foram pesquisados 1.278 estabelecimentos, de 19 cidades brasileiras em 13 estados e mais o Distrito Federal. 

No Distrito Federal  a cesta completa ficou 3% mais barata que em 2013. São Paulo foi o único estado onde a cesta de produtos sem marca ficou 2% mais barata que o ano passado. Mas  o consumidor de Goiás pagou 22% a mais em relação ao ano anterior, e no Rio Grande do Sul os preços permaneceram estáveis.

Segundo a Proteste, a pesquisa mostra que pesquisar antes de fazer a compra do mês é fundamental. A variação de preços de uma cidade, dependendo do ponto de venda, pode ser muito grande, até em supermercados de uma mesma rede. Para a associação, vale a pena atravessar a rua e conferir o preço em outro local antes de fazer as compras, pois a diferença pode ser grande.

São Paulo. Em São Paulo, por exemplo, foi constatado que a compra sai 19% mais barata se for adquirida no Dia da Av.do Cursino, 840, ao invés do Extra, situado na mesma avenida, nº 90.

As diferenças de preços para os mesmos produtos são grandes. Em São Paulo, foi constatada diferença de 194% para o pacote de 1 quilo do arroz branco tipo 1 - Camil. Foi encontrado por R$ 2,04 em um local, e por R$ 5,99 em outro mercado. E o pacote de 8 unidades de lã de aço Bombril custava R$ 0,99 num local e R$ 2,79 em outro mercado, uma diferença de 182%.

Guarulhos. Para o consumidor de Guarulhos, a economia anual na compra da Cesta 1 pode ser de R$ 746,47 se ele trocar o Sonda da Av. Rosa Molina Pannocchia pelo Atacadão da Av. Otávio Braga de Mesquita,3116. 

Em Guarulhos foi constatada diferença de 166% para no quilo da banana prata comum. Foi encontrada por R$ 1,69 em um local, e por R$ 4,49 em outro mercado. E o pacote de 1 quilo de  farinha de mandioca fino Tipo 1 da Yoki custava R$ 3,69 num local e R$ 7,98 em outro mercado. Uma diferença de 116%. Em relação aos supermercados localizados na mesma rua, em Guarulhos foi constatado que a compra sai 18% mais barata se for adquirida no Atacadão da Av. Otávio Braga de Mesquita, 3.116, ao invés do Sonda, situado na mesma avenida, nº 1.450. 

Campinas. Se o morador de Campinas trocar o Galassi da Rua Antônio Villela Jr, 33, pelo Atacadão da Rodovia Dom Pedro I, 900, Km 139, ele terá economia anual de R$ 1.721,70. 

Em Campinas foi constatada diferença de 153% para o pacote de 650g da lasanha bolonhesa congelada Sadia. Foi encontrada por R$ 5,49 em um local, e por R$ 13,90 em outro mercado. E o pacote de  300g do  filé de pescada Costa Azul custava R$ 2,91 num local e R$ 7,07 em outro mercado. Uma diferença de 143%.

Veja a lista dos supermercados mais baratos em todo o País:

Na comparação entre as lojas mais baratas para a Cesta 1, com produtos de marcas líderes, das 19 cidades pesquisadas, constatou-se as melhores ofertas de preços em:

Belo Horizonte - Supermercados BH - R. Padre Eustáquio, 2763;

Brasília - Atacadão - STN, Cj. H s/nº;

Campinas - Atacadão - Rodovia Dom Pedro I, 900, Km 139;

Curitiba - Condor  - Av. Marechal Mascarenhas de Moraes, 312;

Florianópolis - Fort - Rodovia  José C Daux, 401 - Km 10 Sc Rodovia;

Fortaleza - Maxi - Av. Osório de Paiva, 2250;

Goiânia - Makro - Av. Perimetral Norte,3231;

Guarulhos - Atacadão  - Av. Otávio Braga de Mesquita, 3116;

Jaboatão dos Guararapes - Hiper Bom Preço - Av. Gal.Barreto de Menezes, 800;

Natal - Atacadão - Av. Dão Silveira, 7796;

Olinda - Atacadão - Av. Pan Nordestina, 778;

Porto Alegre - Big - Av. Eduardo Prado, 330;

Recife - Makro - Av. Recife ,5005;

Rio de Janeiro - Atacadão - Av. Brasil , 22956;

Salvador - Atacadão - R. Barros Reis,1579;

São Luís - Mateus - Av. Daniel de La Touche,73;

São Paulo -Atacadão - Av. Marechal Tito, 2501;

Vila Velha - Atacadão - Rod. Darly Santos, 4.393;

Vitória - Walmart  - Av. Nossa  Senhora da Penha, 2565.



Veja quanto dá para economizar em um ano

Economia anual que o consumidor pode fazer se optar pelos supermercados mais baratos:


São Paulo - de R$ 1.609,74 (Cesta 1) a R$ 2.233,13 (Cesta 2)

Rio de Janeiro - de R$ 1.749,79a R$ 1.888,33

Florianópolis - de R$ 1,757,42a R$ 1.920,19

Brasília - R$ 1.738,13 a R$ 1.109,35

Goiânia - de R$ 1.094,69 aR$ 1.154,42

Campinas - de R$ 1.721,70 a R$ 1.600,28

Porto Alegre - de R$ 730,45 a R$ 1.551,01

Belo Horizonte - de R$ 1.431,10 a R$ 1.429,64

Salvadorde R$ 1.96,90 a R$ 2.052,33

Fortaleza  - de R$ 699,18 a R$ 878,45

Olinda - de R$ 619,90 a R$ 924,90

Natal - de R$ 1.067,38 a R$ 1.074,19

Guarulhos - de R$ 746,47 a R$ 747,36

Curitiba - de R$ 919,43 a R$ 1.026,18

Jaboatão dos Guararapes - de R$ 99,22 a R$ 577,54

Recife - de R$ 734,12 a R$ 1.150,24

Vila Velha - de R$ 408,13a R$ 533,78

São Luís - de R$ 488,44 a R$ 681,18

Vitória - de R$ 345,25 a R$ 1.023,05


Metodologia. Foram simuladas duas cestas de compras, que equivalem a dois perfis de consumidor: uma com produtos de marca, outra sem marca (sem carne, frutas e legumes), com menores preços. Os pesquisadores agiram como consumidores à procura do menor preço, evitando os dias de promoções de alguns setores. O objetivo da Proteste é ajudar a economizar, pois o brasileiro gasta um terço do orçamento doméstico nas compras em supermercados.   

Foram comparados os pontos-de-venda visitados para apontar o supermercado mais barato. E, tomando esse local por base, a indicação de quanto os demais são mais caros. A lista não traz os preços por produtos. Com essa metodologia a Proteste compara preços das redes de supermercados, hipermercados, lojas de descontos e de conveniência. 

Para calcular o custo de cada cesta, foi feita uma ponderação, levando em conta o peso de cada produto nos hábitos de consumo do brasileiro. Isso porque os produtos têm importâncias diferentes de consumo. As lojas mais bem classificadas são as que vendem mais baratos os produtos mais consumidos. 

Mais conteúdo sobre:
SupermercadoPreçosProteste

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.