Imagem Renato Cruz
Colunista
Renato Cruz
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Pesquisa na indústria

As empresas brasileiras inovam pouco. São poucas as companhias voltadas ao mercado global, que conseguem competir em igualdade com gigantes internacionais. Há ilhas de excelência, como o agronegócio e a mineração. Mas os produtos industrializados vêm perdendo espaço na pauta de exportações e no mercado interno.

Renato Cruz, O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2014 | 02h04

Existe uma série de fatores - o chamado Custo Brasil - que tiram a competitividade das empresas brasileiras. Por aqui, é mais caro contratar, transportar e até calcular e pagar os impostos. Isso sem contar o peso da carga tributária em si.

Outro obstáculo à criação de novos produtos e processos é a distância entre as empresas brasileiras e os institutos de pesquisa. A inovação depende da criação de um ecossistema que envolva empresas, clientes e fornecedores, institutos de pesquisa, universidades e governo.

A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (também conhecida por Embrapii) foi criada para reduzir a distância entre indústria e pesquisadores. Apesar de ter sido chamada de a "Embrapa da indústria", quando foi anunciada, a Embrapii funciona de uma forma bem diferente da Empresa Brasileira da Pesquisa Agropecuária.

A Embrapii funciona com uma rede de institutos credenciados. No fim de outubro, foram acrescentados dez aos três que participaram da fase piloto. "A primeira parcela dos recursos já foi depositada nas contas das unidades de pesquisa", afirmou João Fernando Gomes de Oliveira, diretor-presidente da Embrapii, em entrevista por telefone.

As empresas interessadas devem procurar uma das 13 unidades de pesquisa da Embrapii, que fazem a avaliação dos projetos. Um terço dos recursos vem da Embrapii e não são reembolsáveis (ou seja, não se trata de um empréstimo, é dinheiro que não precisa ser devolvido). Os outros dois terços devem ser desembolsados pela empresa que propôs o projeto e o instituto de pesquisa com quem trabalhará.

Os contratos assinados entre a Embrapii e suas unidades de pesquisa têm seis anos de duração, e o período para a contratação dos projetos é de quatro anos. A expectativa é gerar R$ 1,5 bilhão de investimento em inovação na indústria, sendo R$ 500 milhões desembolsados pela Embrapii. Com a assinatura dos contratos, foram depositados cerca de R$ 30 milhões nas contas dos institutos.

No lugar de aprovar cada projeto, a Embrapii faz um acompanhamento periódico. "Vamos receber uma prestação de contas a cada seis meses", disse Oliveira. "Além de verificar os gastos, faz parte do nosso papel auditar tecnicamente os projetos."

A indústria brasileira precisa inovar mais, com um processo ágil de financiamento. Nos próximos meses, será possível verificar se a Embrapii é uma boa resposta para o problema.

Tudo o que sabemos sobre:
Renato Cruzinovaçãocompetitividade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.