Pesquisa prevê maior recessão do Reino Unido desde anos 80

Segundo a Câmara Britânica de Comércio, PIB vai encolher 2,9% em um ano, maior contração em mais de 20 anos

Marcílio Souza, da Agência Estado,

13 de janeiro de 2009 | 11h59

A economia do Reino Unido está agora se deteriorando a um ritmo "assustador" e deverá entrar na maior recessão desde o início da década de 1980, de acordo com uma pesquisa trimestral da Câmara Britânica de Comércio (BCC, na sigla em inglês), um grupo que representa mais de 100 mil empresas do país. "Os resultados são realmente horríveis, com a escala e a velocidade do declínio econômico ocorrendo a uma taxa sem precedentes", disse o diretor geral da BCC, David Frost.  Veja também:Desemprego, a terceira fase da crise financeira global De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  O grupo de negócios espera que o PIB do Reino Unido vá encolher 2,9% entre o terceiro trimestre do ano passado e o terceiro trimestre deste ano. Essa contração seria maior que a de 2,5% sofrida pelo país durante a recessão do início da década de 1990.  A pesquisa, feita com 6 mil empresas britânicas, também lança dúvidas sobre se a economia do Reino Unido começará a se recuperar em 2010 porque quase todos os drivers de crescimento parecem estar fracos. A mais recente previsão do Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que o Reino Unido vai experimentar a contração mais severa entre todas as economias líderes.A BCC disse que a rápida deterioração econômica fará com que o Banco da Inglaterra (BOE) reduza a taxa de juro do país para próximo de zero e empregue políticas de afrouxamento quantitativo para estimular o crescimento.A BCC também destacou que a crise irá cada vez mais atingir a economia real, colocando a medida oficial de desemprego da Organização Internacional do Trabalho para o país acima dos 3 milhões até meados de 2010 e derrubando sua receita fiscal.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraReino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.