Pessimismo com os EUA toma conta do mercado e Bovespa cai

Bolsa mantém perda acentuada da última semana, cai 2,27% e fica a 20 pontos de retornar à casa dos 60 mil

Agência Estado,

17 de dezembro de 2007 | 15h51

O pessimismo com a economia norte-americana que tomou conta das bolsas ao redor do mundo contaminou a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) nesta segunda-feira, 17. Às 15h43, o principal índice caía 2,27%, faltando apenas 20 pontos para retornar à casa dos 60 mil pontos. Veja também:Pontuação da Bolsa neste momento  A queda acentuada desta segunda e mais a perda acumulada durante a semana passada, de 4,30%, prejudicaram o vencimento de opções sobre ações. O giro financeiro preliminar deste exercício era de R$ 2,189 bilhão às 14h15, menos da metade do registrado no vencimento de novembro, que somou R$ 4,6 bilhões.  Nesse horário, o Ibovespa recuava 2,01%, com apenas uma ação em alta, e o volume total negociado no pregão era de R$ 4,6 bilhões, indicando para o final da sessão R$ 9,9 bilhões. Mas, passado o exercício, o ritmo de negócios pode desacelerar e esse volume ficar abaixo do que está sendo projetado. Em Nova York, o Nasdaq cedia 0,30% e o índice Dow Jones apresentava baixa de 0,41%, dando prosseguimento às perdas da última sexta-feira, superior a 1%, com os investidores temerosos de que a alta dos preços ao consumidor leve o Fed a interromper o processo de corte de juro, medida que poderia evitar uma possível recessão nos EUA.  Outra razão para que os investidores continuem na defensiva é a divulgação a partir desta terça-feira dos balanços dos bancos de investimento Goldman Sachs, Bear Stearns e Morgan Stanley, que poderão fornecer mais pistas sobre a situação no mercado de crédito. Nesta segunda, as atenções estarão voltadas para a primeira oferta dentro do âmbito do plano de injeção de liquidez no setor financeiro anunciado na semana passada, com oferta de US$ 20 bilhões em recursos para 28 dias. O resultado será divulgado às 16 horas.

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.