Pessoas físicas lideram aumento de crédito

O saldo total das operações de crédito do sistema financeiro aumentou 5% no período de março a junho, atingindo, ao final do semestre, R$ 297,8 bilhões. Com relação ao mês de maio, o crescimento foi de apenas 0,2%. O destaque ficou para o crédito destinado às pessoas físicas, que atingiu R$ 49,12 bilhões em junho, com crescimento de 2,1% com relação ao mês anterior. Os dados foram divulgados, ontem, pelo Banco Central (BC).Segundo o chefe-adjunto do Departamento Econômico do BC (Depec), Fernando Caldas, as informações de junho correspondem ao quarto mês de estatísticas sobre operações de crédito seguindo a nova metodologia de classificação de risco. Por isso, ainda estão sujeitas a alterações. De um total de 377 bancos, o BC vem computando as informações prestadas por 364. Essa estatística vem apontando um pequeno crescimento das operações classificadas no risco de inadimplência H, o mais alto.De acordo com os dados fornecidos pelas instituições financeiras ao BC, a maioria das operações de crédito ativas, ou seja, 63,2%, está classificada nos níveis AA e A (baixíssimo risco). O estoque destas operações somava R$ 187,9 bilhões em 30 de junho. Já as operações de nível H, embora tenham mantido em junho a mesma participação de maio - de 9,2% do total - cresceram em termos absolutos. Em maio as instituições financeiras classificaram no nível H operações no valor de R$ 27,289 bilhões e, em junho, R$ 27,532 bilhões.Do total das operações classificadas no nível H, apenas R$ 6,11 bilhões correspondem a operações feitas pelos bancos privados. As operações no nível H dos bancos públicos alcançam R$ 21,423 bilhões. Em junho, o crédito total concedido pelo sistema financeiro privado alcançou R$ 147,6 bilhões, com crescimento de 0,2% no mês e de 5,3% no período de março a junho. O saldo dos créditos concedidos pelo sistema financeiro público atingiu R$ 150,2 bilhões em junho. O crescimento com relação ao mês anterior foi de 0,3%, sendo de 4,6% a elevação no período de março a junho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.