JOSE MARIA TOMAZELA/AE
JOSE MARIA TOMAZELA/AE

coluna

Thiago de Aragão: investidor estrangeiro vê como irreal promessa de Guedes de 4 privatizações em 90 dias

Peste suína na Ásia é ‘explosão de oportunidades’

Brasil, que vem batendo recordes de exportação de carnes para lá, tem a chance conquistar e fidelizar mais clientes

Isadora Duarte, Tânia Rabelo e Vinicius Galera, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2019 | 19h40

A epidemia da peste suína africana (PSA) na China, que vem dizimando os plantéis no país asiático, pode trazer oportunidades mais amplas ainda para o setor de carnes brasileiro, que vem batendo recordes de exportação de proteína animal este ano, avaliou o diretor da consultoria norte-americana de commodities agrícolas Hueber Report, Daniel Hueber. “A China tinha um dos maiores plantéis de suínos do mundo, com 440 milhões de animais. Esse é o rebanho que Brasil e Estados Unidos têm juntos. O efeito dessa crise no mercado de alimentos ainda será muito expressivo”, disse Hueber no Summit Agronegócio Brasil 2019.

Pouca informação

O consultor observou também que os chineses têm levado muito tempo para apresentar os reais prejuízos com a doença. “A grande questão é que ninguém sabe se será possível erradicar essa febre. É diferente de qualquer outra epidemia já vista”, destacou. Hueber mencionou a alta significativa nas exportações brasileiras de carnes para a China e enfatizou que o País pode se beneficiar ainda mais com o avanço da epidemia no Sudeste Asiático e no Leste Europeu. “É uma explosão de oportunidades para o Brasil.”

O diretor de Inteligência de Mercado da consultoria INTL FCStone, Renato Rasmussen, disse que, de fato, o setor pecuário deve aproveitar a janela de oportunidade que se abriu com a doença na China, que deve levar de sete a dez anos para recompor seu rebanho de suínos. “Estamos falando de uma queda de quase 40% no rebanho de suínos da China”, disse. Por isso, conforme Rasmussen, agora é hora de o pecuarista brasileiro investir mais em produtividade, tendo em vista, por exemplo, a forte valorização da arroba bovina este ano.

Ele avalia, ainda, que à medida que a escassez de proteína animal no país asiático se intensificar, a China deve flexibilizar regras de importação para conseguir atender à demanda de seu mais de 1 bilhão de habitantes. No caso de bovinos, por exemplo, o gigante asiático exige que a carne seja proveniente de animais com no máximo 30 meses. “Se faltarem alimentos lá e o mercado interno se inflacionar, é provável que ela flexibilize regras.” Ele citou, por exemplo, as recentes novas habilitações de unidades frigoríficas do Brasil para exportar para a China. “Inicialmente, os chineses tentaram conter a crise da peste suína africana com o escoamento dos estoques internos”, lembrou. “Agora, estão precisando importar para garantir o abastecimento.”

No longo prazo, o consultor também vê amplas oportunidades para o Brasil reforçar a parceria comercial com a China. Ele mencionou que o país asiático está mudando seu perfil de consumo de proteína animal – da tradicional carne suína para carnes bovina e de frango. “O Brasil deve aproveitar essa oportunidade, pois essa mudança de hábitos pode ser uma chance de conquista de mercado no longo prazo”, disse o consultor da FCSTone.

Ainda para Rasmussen, a situação da peste suína africana na China “traz riscos ao Brasil no curtíssimo prazo (no caso de o surto da doença se encerrar no país asiático e a China voltar a investir em rebanhos próprios)”. “Mas, quando olhamos no âmbito global, somos um dos únicos países que têm o potencial de fornecer alimentos para o mundo”, reforçou. Rasmussen alertou, porém, que mesmo com o cenário positivo o pecuarista deve analisar o cenário global, com guerra comercial entre Estados Unidos e China, alta expressiva do dólar, riscos de a peste suína chegar ao Brasil, entre outros. “E sempre fazer hedge em bolsas para proteger seus rendimentos.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.