Estadão
Estadão

Petrobrás afasta gerente-executivo de Comunicação

Estatal disse que decisão faz parte de um processo de renovação do setor após revisão do plano de negócios

Reuters

21 Julho 2016 | 17h59

RIO DE JANEIRO  - A Petrobrás informou nesta quinta-feira, 21, que afastou o gerente-executivo de Comunicação e Marcas, Luís Fernando Nery, após iniciar um processo de mudanças na área. De acordo com a estatal, a decisão pelo afastamento se enquadra na visão de que a empresa passará por um processo de renovação de sua comunicação interna, externa e de marcas após a revisão do plano de negócios, o que deve ocorrer até o fim de setembro. 

Em meio a uma busca por redução de custos, a Petrobrás anunciou no ano passado que cortaria quase pela metade o número de vagas de funcionários que atuavam na área de comunicação da empresa, que era de 1.146 antes dos cortes. Nery será substituído interinamente pelo chefe de gabinete da presidência da companhia, Antônio Augusto Almeida Faria. 

Na mesma nota, a Petrobrás informou que deve concluir até agosto uma investigação da Comissão Interna de Apuração (CIA), criada com base nos achados de uma auditoria interna, sobre gastos com ingressos do Carnaval de Salvador para presentear políticos. "Os mecanismos de governança da Petrobrás definem que eventuais punições a empregados da empresa devem ser aplicadas após a apuração completa dos fatos", afirmou. 

A empresa disse ainda que suspendeu a compra de convites e outras formas de participação no Carnaval da Bahia, mantendo apenas apoio aos blocos afro. A petroleira afirmou também que limitou a exigência de contrapartida em ingressos em seus patrocínios e centralizou contratações da área de comunicação para ter maior controle. 

O esclarecimento foi uma resposta a uma matéria publicada pelo jornal O Globo nesta quinta feira. A matéria afirmou que investigações internas da companhia mostraram que, além de gastos com a compra de ingressos, a Petrobrás teria direcionado recursos, entre 2008 e 2015, ao trio elétrico fundado por Francisco Alberto Tripodi Filho, primo de Armando Tripodi, chefe de gabinete da presidência da Petrobras na gestão de José Sergio Gabrielli. 

Procurada, a estatal explicou que não há nada imputado a Nery nas investigações que ocorrem sobre a compra de ingressos. A empresa informou que "tomará todas as medidas legais para buscar o ressarcimento de danos, além de encaminhar esse material aos órgãos de investigação competentes para futuras ações na Justiça". Eventuais irregularidades cometidas por ex-empregados ou pessoas que não são ligadas à companhia deverão ser apuradas nesses procedimentos, de acordo com a companhia. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.