Petrobrás alivia, mas Bovespa tem 3ª queda seguida

Ibovespa terminou com desvalorização de 0,41%, aos 45.044 pontos; OGX despencou mais 13,33% e liderou perdas

Claudia Violante, da Agência Estado,

03 de julho de 2013 | 18h17

Julho segue no vermelho. Nos três pregões do mês, a Bovespa fechou em queda. Depois de tombar mais de 4% na véspera, o principal índice do mercado acionário brasileiro até ensaiou uma recuperação nesta quarta-feira, 03. Não houve êxito. No começo da tarde, a Bolsa virou para baixo e assim seguiu até o fechamento, embora tenha encerrado longe da mínima. A sessão mais curta em Wall Street, por causa do feriado do Dia da Independência na quinta, reduziu o volume doméstico de negócios. Com bom desempenho, Petrobrás ajudou a conter a queda do Ibovespa, puxada, por sua vez, por Vale, bancos e OGX.

O Ibovespa terminou com desvalorização de 0,41%, aos 45.044,03 pontos. Na mínima, registrou 44.552 pontos (-1,50%) e, na máxima, 45.827 pontos (+1,32%). No mês, acumula perda de 5,08% e, no ano, de 26,10%. O giro financeiro totalizou R$ 7,891 bilhões. Os dados são preliminares.

Sem a referência norte-americana também no pregão seguinte, os investidores preferiram não se posicionar em ações. Na sexta-feira, 05, saem nos EUA os dados do relatório do mercado de trabalho (payroll) de junho do país, para o qual há uma expectativa média de criação de 165 mil postos de trabalho. Se confirmado, o número será menor do que os 175 mil anunciados em maio. O dado tem grande relevância, porque dará pistas sobre os prazos do Federal Resereve (Fed, o banco central dos EUA) para retirada de estímulos à economia.

Mais cedo, saíram dois dados sobre o setor: os números do setor privado da ADP, considerado uma prévia do payroll, e os pedidos de auxílio-desemprego. No primeiro caso, houve a abertura de 188 mil vagas em junho, resultado acima da previsão de 134 mil vagas. Já os pedidos de auxílio-desemprego recuaram para 343 mil na semana encerrada em 29 de junho, ante previsão de 346 mil.

Com esses números, o Dow Jones fechou com alta de 0,38%, aos 14.988,55 pontos, o S&P subiu 0,08%, aos 1.615,41 pontos, e o Nasdaq teve ganho de 0,30%, aos 3.443,67 pontos.

Na Bovespa, Petrobrás, que chegou a diminuir os ganhos no início da tarde, retomou o fôlego e fechou com valorização acima de 2%, minimizando as perdas do índice. A ação ON avançou 2,05% e a PN subiu 3,31%.

Vale fechou em baixa, de 0,39% na ON e de 0,38% na PNA, pressionada pelos dados de atividade mais fracos da China.

Bancos também seguiram em queda: Bradesco PN, -0,81%; Itaú Unibanco PN, -1,14%; BB ON, -2,87%; e Santander Unit, -1,29%.

OGX ON despencou mais 13,33% e liderou as perdas do Ibovespa, além de renovar sua mínima histórica, cotada a R$ 0,39.

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespafechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.