Petrobras ameaça congelar investimentos na Bolívia

A Petrobras provavelmente congelará seus investimentos na Bolívia se for aprovada a lei elevando os impostos para as petroleiras, disse o presidente da empresa no país, José Fernando de Freitas. "Se você me perguntar se a situação é boa, não é ", disse Freitas. "Se você me perguntar se as perspectivas para os investimentos são boas, não são", acrescentou o executivo."Da forma como as coisas estão, será muito difícil continuar investindo (no país)", disse o executivo. "Não entenda isso como uma ameaça irracional", afirmou. "O dinheiro está lá, mas se não der retorno, nós não vamos investi-lo". A Câmara dos Deputados da Bolívia já aprovou um projeto elevando para 50% a combinação de imposto com royalties para as petroleiras, sendo 18% em royalties e 32% em imposto não dedutível.Níveis semelhantes de impostos existem atualmente, mas eles são dedutíveis. Por isso, os críticos afirmam que as petroleiras pagam apenas entre 12% e 14%. O Senado vai debater o projeto na próxima semana e deverá incluir mudanças não especificadas ao mesmo.O governo tem se oposto fortemente à aprovação do projeto aprovado pela Câmara baixa. O presidente Carlos Mesa o classificou de "um suicídio", alertando que poderá desencadear uma onda de processos pelas petroleiras por suposta quebra de contrato. Os investimentos da Petrobras no país são estimados em US$ 1,5 bilhão.A Câmara baixa aprovou o projeto no início do mês em meio a uma série de protestos e bloqueios de estradas promovidos pelo congressista Evo Morales, cujo partido, Movimento para o Socialismo, é o principal defensor da legislação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.