Petrobrás América terá de explicar compra nos EUA

Presidente da subsidiária foi convocado pela Comissão de Minas e Energia da Câmara

SERGIO TORRES / RIO, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2012 | 02h15

A Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados aprovou por unanimidade a convocação do presidente da Petrobrás América, José Orlando Melo, para explicar as razões da compra pela estatal da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. O Ministério Público Federal e o Tribunal de Contas da União (TCU) também já pediram explicações à Petrobrás sobre o negócio.

Como o Estado revelou em julho deste ano, a Petrobrás deve amargar um prejuízo milionário com a venda da refinaria, um dos ativos que ela pretende ofertar ao mercado, em atendimento ao programa de desinvestimentos que integra o Plano de Negócios 2012-2016. Após anos de batalha judicial com sua sócia, uma trading belga, a petroleira brasileira fechou no primeiro semestre um acordo para aquisição de 100% da refinaria, localizada no Estado do Texas.

Ao todo, a Petrobrás pagou US$ 1,18 bilhão, em duas etapas, para comprar uma refinaria que, há sete anos, custou US$ 42,5 milhões à sua agora ex-sócia - quase 28 vezes a menos. O acordo extrajudicial foi firmado com a Astra Oil Trading NV.

Unânime. O requerimento para a convocação do presidente da subsidiária da Petrobrás nos Estados Unidos foi apresentado pelo deputado federal Maurício Quintella (PR-AL), integrante da Comissão de Minas e Energia da Câmara. Anteontem, de maneira unânime, os deputados da comissão decidiram aprovar o requerimento de Quintella. Ainda não há data para José Orlando Melo apresentar-se à comissão.

Ao adquirir 50% do controle da refinaria, em 2006, a Petrobrás pagou US$ 360 milhões. Este ano, petroleira decidiu pagar mais U$ 820 milhões à Astra Oil Trading NV para assumir os restantes 50% da sócia.

A Petrobrás não comentou a convocação do executivo pela Comissão de Minas e Energia da Câmara.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.