FABIO MOTTA/ESTADÃO
FABIO MOTTA/ESTADÃO

Petrobrás fará corte de 20% em investimentos até 2016

Cotação internacional do petróleo e do dólar agravaram situação financeira da estatal

Antonio Pita, O Estado de S. Paulo

05 de outubro de 2015 | 19h59

RIO - Com o agravamento de sua situação financeira, em função da alta do dólar, a Petrobrás anunciou nesta segunda-feira um novo corte de investimentos de 20% para o biênio 2015 e 2016. A revisão foi feita após mudanças no patamar de cotação internacional de petróleo e do câmbio, segundo fato relevante divulgado pela estatal há pouco. A previsão é investir cerca de US$ 25 bilhões neste ano - um corte de 11% em relação ao Plano de Negócios e Gestão divulgado em junho, que previa investimentos de US$ 28 bilhões em 2015. Para 2016, o corte chega a 30%, de US$ 27 bilhões para US$ 19 bilhões. 

"Na divulgação do Plano de Negócios e Gestão 2015-2019, a companhia havia informado que a execução do Plano estaria sujeita a fatores de risco que poderiam impactar adversamente suas projeções, dentre os quais estão incluídas mudanças de variáveis de mercado, como preço do petróleo e taxa de câmbio", justifica a estatal em fato relevante encaminhado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A petroleira, entretanto,  não detalhou quais as atuais premissas de câmbio e cotação de Brent que nortearam a definição dos cortes. 

"De modo a preservar seus objetivos fundamentais de desalavancagem e geração de valor para os acionistas, a companhia está ajustando suas previsões de investimento e gastos operacionais gerenciáveis", justifica o comunicado. "A Petrobras reafirma seu compromisso em atuar com disciplina de capital e rentabilidade", completa a nota. 

A empresa também detalhou o plano de desinvestimentos, previstos em US$ 15,1 bilhões até o próximo ano. Para este ano, a companhia estima arrecadar apenas US$ 700 milhões com a venda de ativos - o que reforça a dificuldade da estatal em negociar diante do cenário adverso para toda a indústria petroleira, em especial com a crise de confiança no mercado brasileiro. 

O volume de desinvestimentos deve ser alcançado com a confirmação da venda de 49% em ações da Gaspetro para a Mitsui, negociação que está em fase final de conclusão pela estatal, conforme comunicado divulgado há duas semanas. O anúncio também reforça o adiamento da oferta pública de ações da BR Distribuidora, principal aposta da companhia para aliviar seu caixa. O adiamento era defendido pelo presidente licenciado do conselho de administração da estatal, Murilo Ferreira -que deixou o cargo no último mês por divergências com o atual comando da estatal. 

Em fato relevante divulgado há pouco, a estatal também anunciou um corte de gastos gerenciáveis - como custos administrativos e despesas operacionais, excetuando matérias-primas. Para este ano, a expectativa é cortar cerca de 4%, somando US$ 29 bilhões, ante os US$ 30 bilhões previstos inicialmente. Para o próximo ano, entretanto, o corte chegará a 23%, totalizando US$ 21 bilhões, de US$ 27 bilhões. A previsão inicial da companhia, divulgada em junho, era gastar US$ 28 bilhões, em média, pelos próximos cinco anos. 

A estatal não detalhou a origem da redução de gastos administrativos, mas a expectativa é que sejam intensificados cortes em funcionários terceirizados e revisões de contratos de prestação de serviço, o que já está em andamento. Funcionários terceirizados relatam que as demissões podem começar entre outubro e novembro, sendo que parte do efetivo já estaria em aviso prévio. 

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    petrobras

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.