Petrobras anunciará em breve 'importante' reserva de gás

Diretor da empresa não quis informar a localização dessas áreas. Disse apenas que elas estão no Peru

Kelly Lima, da Agência Estado,

20 de dezembro de 2007 | 11h32

A Petrobras deve anunciar na próxima semana, juntamente com a espanhola Repsol, a descoberta de uma "importante" reserva de gás natural realizada em dois blocos no Peru, anunciou nesta quinta-feira, 20, o diretor da área Internacional da Petrobras, Nestor Cerveró. Sem dar qualquer detalhe sobre o volume existente nessas áreas, o executivo afirmou que, em um dos blocos, a Repsol é a operadora com 53% e a Petrobras participa com 47%. No outro bloco, a Petrobras detém 100% da concessão. O diretor não quis informar a localização dessas áreas. Indagado sobre o tamanho da reserva, se seria possível fazer uma comparação com o campo de Mexilhão, localizado na Bacia de Santos, por exemplo, ele desconversou. "É uma reserva muito importante, só posso dizer isso, porque quem fará o anúncio será a Repsol", explicou, em jantar realizado com a imprensa, na noite de quarta-feira, para fazer um balanço das atividades da companhia em 2007. Região de investimentos A região sul do Peru é o destino mais provável do investimento que a Petrobras estuda fazer em um novo pólo gás químico internacional, revelou Cerveró. Os planos da construção de uma petroquímica na América do Sul já haviam sido citados pelo executivo no detalhamento do plano de investimentos da companhia, em setembro. À época, ele negou que estes investimentos iriam para a Venezuela - onde a Braskem já estuda construir uma unidade - ou para a Bolívia - país em que a própria estatal também retomou planos de investimentos em uma central química. Segundo Cerveró, a Petrobras deverá entrar no negócio no Peru em parceria com a Braskem, que também estuda a viabilidade do investimento. "Ainda não há nada concreto, apenas a intenção do governo peruano de instalar este pólo gás químico na região, que é a mais pobre do país, com o objetivo de promover seu desenvolvimento", explicou. De acordo com ele, a Petrobras está aguardando definições do governo peruano sobre a forma que se dará o investimento. A Petroperu, estatal petrolífera peruana, também deverá entrar como parceria no negócio. Cerveró não detalhou os investimentos necessários ou o volume a ser produzido na unidade. Recorde de produção de óleo A Petrobras espera alcançar ainda este ano o pico de produção de 2 milhões de barris de óleo por dia, segundo informou o diretor Financeiro e de Relações com Investidores da estatal, Almir Barbassa. Segundo ele, isso é "perfeitamente possível", apesar dos atrasados ocorridos durante o decorrer do ano, com a entrada em produção ou parada de algumas unidades. "Vamos certamente chegar a este volume ou muito perto disso", disse o executivo, lembrando que o recorde da Petrobras é de 1,94 milhão de barris por dia. Para atingir este volume, a Petrobras conta com a entrada em produção, neste último mês, das plataformas P-52, P-54 e ainda o FPSO Cidade de Vitória que, juntas, têm capacidade para a produção de 460 mil barris por dia. Este volume, no entanto, só deverá ser atingido em meados de 2008, quando as três unidades estiverem operando em seu pico. Para chegar a 2 milhões ainda este ano, essas plataformas terão que acrescentar à produção da estatal cerca de 240 mil barris por dia, considerando a média produzida em novembro, que foi de 1,76 milhão de barris diários. Essa produção indica aumento de 1,8% em relação à produção média de outubro, mas representa queda de 3% em relação ao registrado em novembro do ano passado, quando a extração média de petróleo no Brasil atingiu 1,814 milhão de barris/dia. Além das três unidades que entraram em operação, a Petrobras conta ainda com o aumento do volume produzido pela P-50, que teve problemas técnicos em sua operação durante o ano; e apenas no último mês chegou próxima de sua capacidade de 180 mil barris por dia.

Tudo o que sabemos sobre:
Petrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.