Petrobras aumenta preço da gasolina

Um mês e meio após a redução do preço da gasolina nas refinarias, a Petrobras voltou a aumentar o preço de venda do combustível aos distribuidores. A nova tabela, enviada quinta-feira às empresas, traz preços em média 2,2% superiores aos R$ 0,31 por litro (livre de impostos) estabelecidos no início de janeiro.Segundo cálculos do Sindicato da Revenda de Combustíveis do Rio (Sindicomb), o impacto nas bombas será de, no máximo, 1,6%. Desde dezembro, o preço da gasolina caiu cerca de 16%, em média, no País.Os novos preços entram em vigor para compras feitas a partir da meia-noite de domingo. A Petrobras informou que o aumento foi decidido para equiparar os preços com o de seus concorrentes no mercado internacional. Ao definir o valor de janeiro, a Petrobrás contou com o barril do petróleo a US$ 18,50. Agora, o preço está próximo dos US$ 20.A tendência, com os preços liberados pelo governo, é de que haja variações mês a mês, sempre acompanhando as cotações do dólar no Brasil e do petróleo e derivados no mercado externo.Na opinião do diretor-superintendente da Ale Combustíveis, Claudio Zattar, o aumento do preço reflete que a redução do início do ano foi exagerada. "A Petrobrás percebeu que aquele preço era mais do que suficiente para evitar importações. Se subiu agora, o novo preço também deve tornar inviável qualquer iniciativa de trazer gasolina para o País", disse.Para ele, em determinadas regiões não haverá aumento nas bombas. "Depende de cada mercado e de como estão as margens de distribuição e revenda. Nós vamos esperar o mercado reagir para depois mudarmos nossa tabela", informou.A Petrobras já promoveu, na semana passada, aumento no preço do diesel, que chegou a cair 6% nas refinarias no início do ano.Os preços dos combustíveis, contudo, passarão a ser diferenciados entre as distribuidoras, que estão negociando com a estatal novas condições de contrato, onde o volume de vendas de cada uma terá peso maior.Até o ano passado, a tabela de preços era única e as condições de pagamento, divididas em duas opções - uma para as grandes companhias e outra para as pequenas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.