Jorge Henrique/Estadão
Jorge Henrique/Estadão

Petrobras aumenta gás natural em 19% a partir de domingo

Aumento pode afetar o preço do GNV, usado para abastecer veículos; segundo a estatal, o ajuste ocorre para equilibrar os preços às variações do petróleo e da taxa de câmbio

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2022 | 15h49
Atualizado 29 de abril de 2022 | 18h13

A Petrobras anunciou nesta sexta-feira, 29, que vai reajustar os preços de venda de gás natural em 19% às distribuidoras. O aumento começa a valer a partir de domingo, 1º de maio, e ficará vigente até 31 de julho em todo País.  O produto já acumula uma  alta de 31% no ano, o último reajuste aconteceu em fevereiro (12%). Com o aumento, o preço do gás natural veicular (GNV), usado nos veículos, pode subir nos postos. 

A estatal responde por mais de 85% do fornecimento às distribuidoras, segundo dados da Associação Brasileira dos Consumidores de Energia (Abrace). O gás natural é usado nas residências com acesso ao gás canalizado e também é no GNV (gás natural veicular)  utilizado para o abastecimento de veículos. O produto ainda é um insumo muito utilizado por indústrias.  

 

O aumento anunciado pela Petrobras acontece em paralelo a uma briga judicial entre a estatal e distribuidoras, por causa de um reajuste de 50% pedido no final do ano passado que ainda está sendo avaliado pela Justiça.

No Rio de Janeiro, o maior aumento da Naturgy será dado ao GNV, 19,58%, enquanto as indústrias terão um custo 18,52% maior na compra do insumo. Já para os clientes residenciais, o aumento será de em média de 6,80%, e no setor comercial, de 7,05%.

A Petrobras justificou a alta pela atualização do preço com base nas fórmulas acordadas com as distribuidoras, que vinculam a variação do preço do gás às variações do petróleo no mercado internacional e da taxa de câmbio

A alta do gás natural veicular vem em um momento de disparada dos preços dos combustíveis concorrentes, gasolina e etanol, e em algumas regiões os preços já estão próximos. 

No Distrito Federal, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o GNV sem o aumento já custava R$ 6,81 por metro cúbico (m3) na semana de 17 a 23 de abril, enquanto o preço da gasolina era de R$ 8. Na média nacional, o GNV vem sendo comercializado a R$ 4,754 o metro cúbico. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.