Petrobras avalia que acordo com Comgás é 'histórico'

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, classificou como "histórico" na indústria de gás natural no Brasil a assinatura dos novos contratos entre a companhia e a Comgás. "Esse é um evento histórico, à medida que significa um passo importante na montagem da estrutura contratual do setor de gás, o que demonstra o amadurecimento do mercado", disse o executivo durante a cerimônia de assinatura dos contratos entre as duas empresas.Na avaliação do presidente da estatal, os contratos de fornecimento nas modalidades firme flexível e interruptível permitirão que o mercado "enfrente as dificuldades normais que existem um setor tão complexo quanto o do gás natural, que tanto cresceu no Brasil nos últimos anos". "É como se o mercado tivesse saído da infância para a puberdade", comparou Gabrielli.Durante o seu discurso, o presidente da Petrobras ressaltou que o "mercado de gás precisa, necessariamente, ser contratualizado". Segundo ele, a expectativa é que as modalidades contratuais assinadas entre a estatal e a Comgás sejam reproduzidas entre todos os agentes da cadeia de gás. "Daqui a pouco, o consumidor irá escolher entre o contrato firme, que não pode ser interrompido, o firme flexível e o interruptível. Isso mostra amadurecimento", comentou.O executivo admitiu que os novos contratos foram firmados após muita negociação entre as partes. A diretora de Gás e Energia da Petrobras, Maria das Graças Foster, contou que as conversas entre as companhias tiveram início há um ano, convergindo para uma resolução nos últimos dois meses. "Fiquei sabendo que até ontem existiam problemas nas discussões, mas sem dúvida não tão emocionante como as que tínhamos na Bolívia", brincou Gabrielli.Os contratos firmados hoje pela Petrobras com a Comgás são o segundo acordo estabelecido pela estatal com uma distribuidora. No início do mês, a petrolífera assinou contratos semelhantes com a Bahiagás, concessionária estatal de gás canalizado da Bahia. As condições desses acordos devem ser reproduzidas para as outras distribuidoras que estão com descontratadas, entre elas a maioria das companhias do Nordeste e a CEG.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.