Petrobras, Braskem e Ultra compram Grupo Ipiranga

O consórcio de empresas formado pela Petrobras, Braskem e Ultra confirmam nesta segunda-feira, 19, a compra de todas as operações do Grupo Ipiranga.Segundo uma fonte, será um dos maiores negócios do setor químico e petroquímico dos últimos tempos. O desenho final da aquisição da Ipiranga foi fechado na sexta-feira numa reunião do Conselho de Administração da Petrobras, na sede da companhia no Rio de Janeiro.Ainda não se sabe o valor do negócio, mas o mercado estima que o Grupo Ipiranga vale cerca de US$ 1,5 bilhão. Em 2006, a receita líquida da Ipiranga foi de R$ 21,6 bilhões, 13,4% superior à de 2005. A Petrobras deverá anunciar os detalhes da aquisição às 9 horas desta segunda-feira, 19, em São Paulo, segundo duas fontes do mercado. A empresa foi procurada, mas não retornou os pedidos de entrevistas. TrâmitesA compra do Grupo Ipiranga pela Petrobras foi aprovada em reunião do Conselho de Administração da estatal, realizada na sexta-feira 16, segundo um articulador próximo às negociações. Dos nove conselheiros da Petrobras, entre os quais três ministros, apenas o da Fazenda, Guido Mantega, não teria participado do encontro. Às 14 horas, o presidente da Federação das Indústrias dos Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, falará sobre o negócio em nome da família dele, uma das acionistas do Grupo Ipiranga. Os três ministros que integram o Conselho de Administração da Petrobras contam com o auxílio de quatro empresários de grandes corporações brasileiras. Também são conselheiros da estatal um representante do Exército e o presidente da empresa, José Sérgio Gabrielli. Além de Mantega, participam do Conselho a chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, que preside essa instância, e o ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau. Também são conselheiros o presidente da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), Roger Agnelli, o presidente do Banco ABN Amro Real, Fabio Coletti Barbosa, e o presidente do Conselho de Administração da Gerdau, Jorge Gerdau Johannpeter.O presidente do Conselho de Administração da Sendas Distribuidora, Arthur Antônio Sendas, também é conselheiro da Petrobras. Geudel Vieira, que foi chefe do Estado-Maior do Exército, completa a lista de conselheiros da Petrobras.DivisãoPetrobras, Braskem e o Grupo Ultra dividirão a Ipiranga em partes. A Companhia Brasileira de Petróleo Ipiranga possui operações na área de petróleo e derivados, petroquímico, produção de energia e exploração de petróleo. O negócio atende aos objetivos dos mais de 60 acionistas do Grupo Ipiranga, que queriam vender a companhia integralmente e não em partes. A empresa é controlada por cinco grupos familiares: Tellechea, Ormazabaal, Gouvêa Vieira, Matos e Aguiar. Segundo uma fonte do mercado, a empresa será adquirida inteiramente, mas dividida entre os novos controladores. A divisão petroquímica do Grupo Ipiranga será assumida pela Braskem, maior companhia do setor na América Latina, controlada pelo Grupo Odebrecht, e a Petroquisa, braço petroquímico da Petrobras. PetróleoProcurada pela reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, a diretoria da Braskem não foi encontrada. A divisão petroquímica do grupo é formada por três empresas: a Ipiranga Petroquímica (IPQ), a Empresa Carioca de Produtos Químicos (EMCA) e a Ipiranga Química, responsável pela distribuição de produtos químicos e petroquímicos no mercado brasileiro. A divisão de petróleo terá outro destino, segundo a fonte ouvida pelo Estado. Além da Ipiranga Asfalto e da Refinaria de Petróleo, o grupo tem duas empresas de distribuição de combustíveis e é hoje a segunda maior do País, atrás da BR. O negócio deverá ser assumido pela Petrobras e pelo Grupo Ultra. Com a distribuição da Ipiranga, a Petrobras poderá elevar o controle do mercado de combustíveis dos atuais 32% para 50%, o que fatalmente suscitará discussões no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.