Petrobras, Braskem e Ultra compram Ipiranga por US$ 4 bi

A Petrobras, Braskem e o Grupo Ultra oficializaram nesta segunda-feira, 19, a compra do Grupo Ipiranga, em negócio de valor estimado em aproximadamente US$ 4 bilhões. O negócio envolve a Refinaria de Petróleo Ipiranga (RPI), a Distribuidora de Produtos de Petróleo Ipiranga (DPPI) e a Companhia Brasileira de Petróleo Ipiranga (CBPI).Pelos termos do negócio, o Grupo Ultra ficará com a rede de distribuição de combustíveis do Grupo Ipiranga nas regiões Sul e Sudeste e continuará operando com a marca Ipiranga. A Petrobras assumirá a rede de distribuição da Ipiranga no Norte, Nordeste e Centro-Oeste e terá até cinco anos para uso da marca Ipiranga, período em que será substituída gradualmente pela marca Petrobras Distribuidora.No setor petroquímico, a Braskem passará a deter 60% dos ativos do Grupo Ipiranga no segmento e reforçará sua posição de controle na Copesul. A Petrobras terá a fatia restante de 40%.Em refino, as operações da Ipiranga no Rio Grande do Sul serão controladas, em partes iguais, pela Petrobras, pelo Grupo Ultra e pela Braskem, que se comprometem a dar continuidade às atividades."Planejamento estratégico"As empresas divulgaram comunicados comentando o negócio. José Sérgio Gabrielli, presidente da Petrobras, afirmou que "em linha com seu planejamento estratégico, a Petrobras reforça sua presença ativa na petroquímica nacional, consolida suas posições na distribuição, especialmente no Norte, Nordeste e Centro-Oeste, e amplia sua presença nos vários segmentos em que atua"."Com esta aquisição ampliamos significativamente nossas operações na área de distribuição de combustíveis, passando a ter duas grandes marcas na distribuição de derivados de petróleo: Ultragaz e Ipiranga", disse no aviso o presidente do Grupo Ultra, Pedro Wongtschowski. "Esta nova etapa da consolidação do setor petroquímico traz um potencial importante de crescimento para a Braskem, com um novo patamar de competitividade e rentabilidade para os nossos negócios", disse complementou José Carlos Grubisich, presidente da Braskem, no aviso. "Com essa iniciativa, a Braskem dá um passo decisivo no rumo de se tornar uma das dez principais empresas petroquímicas internacionais em valor de mercado."A transação, segundo a Ultrapar, será submetida ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).HistóriaO Grupo Ipiranga iniciou atividades como pequena refinaria de petróleo no Rio Grande do Sul em 1937 e completaria 70 anos no dia 7 de setembro. Hoje atua nacionalmente na distribuição de combustíveis e produtos químicos, petroquímica, refino de petróleo, produção de asfaltos e lubrificantes.No ano passado, a companhia obteve receita líquida de R$ 21,6 bilhões, 13,4% superior à de 2005. O lucro foi de R$ 533,8 milhões, um aumento de 3,1% ante o ano anterior.A Ipiranga é controlada por cinco grupos familiares: Tellechea, Ormazabaal, Gouvêa Vieira, Matos e Aguiar. São mais de 60 acionistas que, segundo fontes do mercado, queriam vender a companhia integralmente, não em partes, como já foi cogitado no passado.Conheça os compradoresBraskem» Maior companhia do setor na América Latina, controlada pelo Grupo Odebrecht » Possui unidades industriais em Camaçari (BA), Maceió e Marechal Deodoro (AL), Triunfo (RS) e São Paulo » Receita líquida de R$ 11,7 bilhões » Lucro líquido de R$ 82 milhõesPetrobras» Com a área de distribuição da Ipiranga, a estatal poderá elevar o controle do mercado de combustíveis dos atuais 32% para 50% » Possui atividades nos setores de gás e energia, refino, transporte e armazenamento e distribuição » Tem 16 refinarias e 5.870 postos ativos (638 próprios) » Receita líquida de R$ 168,2 bilhões » Lucro líquido de R$ 25, 9 bilhões Grupo Ultra» Empresas: Ultragaz, Oxiteno e Ultracargo » 6,5 mil funcionários no Brasil e México » Lucro líquido de R$ 1,3 bilhão

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.