Petrobras: campo gigante exigiria divisão da produção

Se o campo Carioca e os campos Bem-Te-Vi e Guará formarem um único campo gigante, a Petrobras e as companhias que detêm participações em campos adjacentes terão de iniciar negociações possivelmente complicadas sobre compartilhamento da produção, disse hoje o diretor de Exploração e Produção da estatal, Guilherme Estrella."Isso está previsto na legislação brasileira", afirmou Estrella, que participa do Congresso Mundial de Petróleo. Ele não confirmou as declarações dadas na semana passada pelo ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, segundo as quais os três campos formam um único campo, mas não descartou essa possibilidade.Caso os depósitos de petróleo estiverem em áreas ainda não leiloadas, o governo brasileiro terá de decidir sobre como dividi-las, afirmou o diretor da Petrobras. Apenas parte do pré-sal foi leiloada pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) e outros 41 blocos foram retirados de um leilão realizado pela ANP em novembro, muitos dos quais próximos a Tupi.Estrella informou ainda que todos os campos do pré-sal terão de ser rebatizados quando forem declarados comercialmente viáveis, já que a regulamentação do setor exige que os campos tenham nomes de peixes ou de outras espécies marinhas. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.