coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Petrobras compra participações extras em campos no Golfo do México

A Petrobras America Inc., subsidiária integral da Petrobras sediada em Houston, nos Estados Unidos, anunciou a aquisição de participação adicional de 25% no campo de Cascade, e de 26,67% no campo de Chinook, da BHP Billiton, ambos situadas no setor norte-americano do Golfo do México. A informação foi divulgada nesta terça-feira em nota distribuída pela empresa. Segundo a nota, a Petrobras também decidiu adquirir até a totalidade dos 15% da participação que a Hess detém no campo de Chinook, também no Golfo do México. Ainda de acordo com a nota, após a conclusão destas duas transações, a companhia passará a deter 50% de participação em Cascade e até 71,67% em Chinook. A Petrobras será a operadora no desenvolvimento dos dois campos. As participações restantes em Cascade e Chinook permanecerão com a Devon e com a Total, respectivamente. Segundo explica a nota, Cascade e Chinook ficam situados no quadrante denominado Walker Ridge do Golfo do México, em profundidades de água que variam de 2.100m a 2.750m. Produção em fasesPara antecipar a produção de petróleo para 2009 nos campos do Golfo do México, a Petrobras vai adotar um projeto em duas fases. Segundo a nota, inicialmente, dois poços em Cascade e pelo menos um em Chinook serão completados com a utilização de um Sistema de Produção, Armazenamento e Bombeamento flutuante (FPSO). Para a fase seguinte, serão projetados poços e instalações adicionais, "em conformidade com os resultados obtidos na fase inicial", segundo a empresa. Ainda de acordo com a Petrobras, o desenvolvimento de Cascade e Chinook é de "enorme importância" para a indústria do petróleo no Golfo do México."Com as aquisições e a operação do desenvolvimento de Cascade e Chinook, projetos tecnologicamente muito desafiadores, a Petrobras consolida a sua posição como um dos principais atores nas águas profundas do Golfo de México, beneficiando-se da sua reconhecida tecnologia de operação em águas profundas, que foram desenvolvidas e consolidadas em águas brasileiras", diz a nota.

Agencia Estado,

15 de agosto de 2006 | 18h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.