carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Petrobras concluirá negócios com PDVSA até dezembro

Os negócios foram feitos no encontro entre Lula e Chaves em Manaus

Alaor Barbosa,

26 de setembro de 2007 | 18h43

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva acertou com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, que até dezembro os dois países concluirão as negociações envolvendo a exploração dos campos de petróleo na bacia de Orinoco pela Petrobras e a participação da estatal venezuelana PDVSA na refinaria de petróleo de Pernambuco.  Os negócios foram feitos no encontro entre os dois chefes de Estado na semana passada, em Manaus, segundo informou o diretor de abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, em entrevista à imprensa na tarde desta quarta-feira. Costa disse que a Petrobras está esperando resposta da Venezuela quanto aos termos propostos para a participação das duas empresas. "Em maio ou junho encaminhamos uma proposta à PDVSA e agora estamos aguardando a resposta", afirmou.  Segundo ele, a proposta é que as duas empresas tenham participações semelhantes nos dois empreendimentos. Se a PDVSA tiver metade da refinaria de Pernambuco, a Petrobras terá participação semelhante nos campos de petróleo previstos no acordo. Na avaliação do diretor da Petrobras, a indefinição da PDVSA não está atrapalhando o andamento da construção da refinaria de Pernambuco. "As obras civis já foram iniciadas e estão dentro do cronograma. Não estamos esperando a resposta da Venezuela, mas a qualquer momento a empresa poderá manifestar o seu interesse na participação na refinaria", disse Costa. Em palestra no Instituto Brasileiro de Executivos Financeiros (Ibef), Costa disse que pretende iniciar as obras civis de instalação do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) em março de 2008.  Segundo ele, a empresa encaminhará os projetos de EIA/Rima aos órgãos ambientais do Rio de Janeiro em outubro, detalhando as medidas para minorar os impactos ambientais. O projeto será implantado seguindo os preceitos de ambientalmente limpo. "Vamos plantar cerca de 4 milhões de árvores, recuperando regiões que estão degradadas".

Tudo o que sabemos sobre:
BrasilVenezuelaPetrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.