Petrobras conduz Bovespa para menor nível desde abril

Uma forte correção nas cotações dopetróleo empurrou ladeira abaixo os papéis da Petrobras, quefizeram a Bolsa de Valores de São Paulo fechar o pregão destaquinta-feira no menor nível desde abril. Na contramão do movimento positivo de Wall Street, oIbovespa recuou 0,75 por cento, aos 66.590 pontos. O girofinanceiro somou 5,64 bilhões de reais, o terceiro menor domês. As ações preferenciais da Petrobras desabaram 3,3 porcento, para 43,90 reais, na esteira das cotações do petróleo,cujo barril caiu para 131 dólares, em meio a temores de quedana demanda pela commodity. O setor financeiro também pressionou o índice para baixo,seguindo o mau humor externo com o setor, depois de o HBOS,maior financiador imobiliário britânico, ter alertado para umabaixa contábil de cerca de 2 bilhões de dólares no primeirotrimestre, por problemas no mercado de crédito. Dentre os bancos domésticos, as units do Unibanco foram asque mais sofreram, ao caírem 2,3 por cento, cotadas a 21,25reais. "Ainda há uma preocupação de que os bancos ainda tenhamesqueletos escondidos da crise imobiliária nos Estados Unidos",disse Edison Roberto Marcellino, diretor da corretora Finabank. A queda só não foi maior devido aos ganhos pontuais dealguns setores, como os de telefonia móvel. As preferenciais daVivo subiram 3,6 por cento, a 10,70 reais. Companhias cujos custos são altamente influenciados pelospreços de combustíveis também brilharam. Dentre as empresasaéreas, as preferenciais da TAM avançaram 4,76 por cento, para33,21 reais. As preferenciais da petroquímica Braskem tiveramvalorização de 3,4 por cento, avaliadas em 14,16 reais. (Edição de Vanessa Stelzer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.