Petrobras confirma aumento de 10% para gás da Bolívia e repasse de 6%

A Petrobras confirmou em nota enviada à imprensa que, em cumprimento ao contrato de aquisição de gás boliviano firmado com a estatal boliviana YPFB, e de venda deste mesmo gás, firmado entre Petrobras e distribuidoras do Centro-Oeste, Sudeste e Sul, o preço do combustível será reajustado em cerca de 10% na origem (Bolívia) e 6% no destino (distribuidoras no Brasil) a partir de 1º de julho.O preço definitivo, calculado em função da variação de uma cesta de óleos combustíveis no mercado internacional, será conhecido no início de julho.O reajuste não tem qualquer relação com o decreto do presidente boliviano, Evo Morales, de 1ª de maio, que nacionaliza as reservas de gás natural no país que estavam nas mãos de empresas estrangeiras, entre elas a Petrobras.Reajuste esperado O presidente da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás), Romero da Silveira, disse que o reajuste a ser repassado pela Petrobras no próximo dia 1º "em nada surpreende o mercado". "O reajuste é absolutamente esperado e natural, além de já estar previsto nas contas das empresas", afirmou. Segundo a Comissão de Serviços Públicos de Energia (CSPE) ainda não houve solicitação de nenhuma distribuidora para a realização de repasse extra deste reajuste para seus consumidores. A CSPE também não acredita nesta possibilidade. Ou seja, todas as distribuidoras devem manter a data tradicional de reajuste. No caso da Comgás e da Gás Natural, por exemplo, este repasse só ocorrerá em maio do ano que vem. Já a Gas Brasiliano faz o repasse em dezembro. Este texto foi atualizado às 17h38

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.