Petrobrás confirma descoberta na Bacia de Sergipe-Alagoas

Óleo encontrado é considerado leve e é semelhante ao petróleo árabe, um dos mais valorizados no mercado internacional; em outubro, a estatal já tinha indícios de uma província petrolífera no local

SERGIO TORRES / RIO , O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2011 | 03h05

A Petrobrás confirmou ontem a descoberta, ocorrida em outubro do ano passado, de uma nova província petrolífera em águas ultraprofundas na Bacia de Sergipe-Alagoas. A estimativa de quanto óleo o reservatório guarda não foi divulgada pela companhia.

A qualidade do petróleo encontrado foi saudada pela Petrobrás e por especialistas. Trata-se de um óleo leve, com grau API em torno de 43º, semelhante ao petróleo árabe, um dos mais valorizados no mercado internacional. Petróleo com essas características é apontado pelo geólogo Nilo Azambuja, ex-diretor da Associação Brasileira dos Geólogos do Petróleo (ABGP), como "muito bom", porque proporciona às refinarias a capacidade de aumentar a produção de gasolina e diesel. "Com essas condições, o refino não é problemático", acrescentou Azambuja.

De acordo com o geólogo, o petróleo encontrado ao longo da costa do Nordeste apresenta características diversas daquele existente em trechos mais ao sul do litoral brasileiro, como a Bacia de Campos (RJ), por exemplo. "Os maiores volumes localizados até agora são de óleo pesado, como acontece no Sudeste."

A nova província (conjunto de jazidas) anunciada pela Petrobrás fica no setor sergipano da bacia. O acúmulo de petróleo foi localizado no primeiro poço aberto em águas ultraprofundas da Bacia de Sergipe-Alagoas. A área de concessão BM-SEAL-11 fica no bloco SEAL-M-426, que tem a Petrobrás como operadora, com 60% do empreendimento. A parceira da Petrobrás é a IBV-Brasil, com o porcentual restante.

Batizado informalmente como Barra, o poço está a 2.311 metros de profundidade, a 58 km da costa de Sergipe e a 90 km da capital Aracaju.

Segundo o comunicado da estatal, a comprovação da descoberta ocorreu por meio dos métodos de perfilagem (registros de características de uma formação) e amostragem (líquidos e gases) de fluido em teste de formação a poço revestido.

Ainda conforme a divulgação da companhia, "foram confirmadas excelentes condições de porosidade dos reservatórios em profundidade de cerca de 5.050 metros e 5.400 metros".

O consórcio Petrobrás/IBV-BRASIL anunciou que dará continuidade ao Programa Exploratório Mínimo acordado com a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que aprovou o plano de avaliação de descoberta.

Na Bacia do Solimões (Amazonas), a HRT Participações em Petróleo registrou a descoberta de indícios de petróleo e gás, conforme a notificação que encaminhou ontem à ANP. Realizada pela subsidiária HRT O&G Exploração e Produção de Petróleo, a descoberta ocorreu no poço 1-HRT-1-AM, na porção nordeste do bloco SOL-T-170.

A HRT informou que o poço, localizado no município de Tefé, com profundidade final de 3.457 metros, ainda está em fase de avaliação. A empresa tem 55% de participação em 21 bloco exploratórios na Bacia do Solimões, com uma área de 48,5 mil quilômetros quadrados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.