Petrobrás corre o risco de perder 'grau de investimento'

Petrobrás corre o risco de perder 'grau de investimento'

Depois de rebaixar a nota individual da empresa, agência Moody's informa que existe possibilidade de redução da nota global

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

05 Dezembro 2014 | 02h01

A Petrobrás corre o risco de ser excluída do seleto grupo de empresas com acesso a grandes investidores internacionais, como fundos de pensão e de investimento. O alerta foi feito pela vice-presidente e analista sênior da agência de classificação de risco Moody's, Nymia Cortes de Almeida.

Um dia depois de rebaixar a nota individual da empresa de baa3 para ba1, a agência informou que "há a possibilidade" também de rebaixamento da nota global da Petrobrás, que, com isso, poderá perder o selo de grau de investimento.

Tudo vai depender da capacidade do Tesouro Nacional de apoiar a estatal caso ela tenha dificuldade de arcar com compromissos financeiros e de captar recursos no exterior que garantam a continuidade do pesado plano de investimentos para os próximos anos.

A agência enxerga dois riscos para a empresa. Primeiro, o de não conseguir atender às exigências impostas pela auditora financeira PricewaterhouseCoopers (PwC)e, com isso, perder a confiança dos investidores e liquidez. O segundo é de, ao mesmo tempo, a União, principal acionista da estatal, ter dificuldade de acesso a recursos do mercado.

Lava Jato. A PwC se negou a validar o resultado financeiro da petroleira relativo ao terceiro trimestre deste ano diante das denúncias de existência de um esquema de corrupção na empresa, investigado pela Polícia Federal, na Operação Lava Jato.

A auditora fez uma série de exigências de controle interno à companhia. A avaliação da Moody's é que a primeira medida da empresa em resposta à PwC, a de criação de uma diretoria de governança corporativa, é muito positiva, mas acredita também que a medida não é suficiente, e que o restabelecimento da confiança do mercado não ocorrerá rapidamente.

Vice-presidente e analista sênior da agência, Nymia Cortes de Almeida reconhece ser "alto" o apoio do governo à petroleira, por causa da importância da empresa para a economia nacional. "Mas, se a gente imaginar que esse apoio pode ser menor do que o necessário, a nota global da empresa poderá ser rebaixada", afirmou em entrevista exclusiva ao Broadcast, serviço de informação em tempo real da Agência Estado.

Não só o desempenho da nova equipe econômica da presidente reeleita Dilma Rousseff poderá afetar a nota da Petrobrás, mas, principalmente, a demonstração do Tesouro de que se mantém capaz de ter acesso ao mercado. Segundo Nymia Cortes, a avaliação do risco da empresa não depende tanto do alcance das metas de crescimento econômico, medido pelo Produto Interno Bruto (PIB), ou do superávit primário. A agência vai observar nos próximos meses, principalmente, a facilidade da União de obter recursos.

Para a Petrobrás perder o selo de grau de investimento, teria de ser rebaixada em um nível e meio, o que reduziria o acesso da petroleira ao mercado e ainda tornaria mais caro qualquer financiamento.

Nota global. A Moody's já rebaixou na quarta-feira a classificação individual da Petrobrás, de baa3 para ba1. Neste caso, avalia apenas a gestão da companhia, independentemente de um possível apoio do governo. A nota global da companhia permanece em Baa2, com perspectiva negativa.

Nymia disse acreditar na afirmação do diretor financeiro da Petrobrás, Almir Barbassa, de que a companhia tem dinheiro em caixa suficiente para não precisar ir a mercado nos próximos seis meses. No entanto, ela considera que esse prazo é curto para uma companhia com a dimensão e os desafios de investimento da Petrobrás.

Mais conteúdo sobre:
PetrobrásOperação Lava Jato

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.