Petrobras: críticas de Morales não cabem à empresa

O diretor de Abastecimento e Refino da Petrobras, Paulo Roberto Costa, disse hoje que a advertência feita pelo presidente da Bolívia, Evo Morales, às companhias estrangeiras para que aumentem seus investimentos na indústria de gás natural do país "se não quiserem se arriscar a perder o acesso às lucrativas reservas locais" não recai sobre a estatal. "Essa crítica não cabe à Petrobras. A companhia já apresentou seu plano de investimentos e de desenvolvimento de reservas no país", disse, em entrevista após participar de evento sobre patrocínio esportivo na sede da estatal no Rio. Ontem, Morales disse que seu governo preparou um "ultimato" as empresas estrangeiras. "Eu pedi aos meus ministros que preparem um decreto que dará às companhias um ultimato para que invistam", disse Morales em discurso na cidade de Punata, na Bolívia central. "Se elas não investirem nas regiões onde a prospecção indicou existirem petróleo e gás, em determinado período de tempo, nós tomaremos de volta essas jazidas, que serão entregues à Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (a estatal YPFB, ressuscitada por Morales)."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.