Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Petrobrás define queda da Bovespa

Bolsa paulista destoou da recuperação das ações em Nova York, que foi amparada pelo leilão de Treasuries

Claudia Violante, Taís Fuoco e Denise Abarca, O Estadao de S.Paulo

28 de agosto de 2009 | 00h00

As Bolsas em Wall Street fecharam no azul, ontem, o que ajudou a Bovespa a diminuir a queda vista ao longo da sessão. O Ibovespa encerrou em leve baixa de 0,11%, aos 57.703,85 pontos. No pior momento, o índice paulista chegou a cair 1,59%, aos 56.845 pontos. Ao contrário da recuperação das ações em Nova York, a Bovespa não teve força para subir por causa da queda dos papéis da Petrobrás. As ações da petroleira recuaram, apesar da alta do petróleo no exterior, por causa da possibilidade de haver uma capitalização na estatal. Petrobrás PN cedeu 0,93%, a R$ 32,86, e Petrobrás ON caiu 1,43%, a R$ 39,30. Nos EUA, a permanência dos índices acionários no campo positivo foi assegurada pelos ganhos de mais de 8% das ações da Boeing e pela sinalização favorável emitida pelo leilão de títulos do Tesouro norte-america de 7 anos, que apresentou forte demanda. Em Nova York, o índice Dow Jones subiu 0,39% e o Nasdaq, 0,16%. O dólar avançou 0,21%, a R$ 1,865 no balcão, apurando ganho de 1,85% em quatro sessões seguidas. A melhora de humor em Wall Street definiu a alta para os principais contratos de juros. A taxa de janeiro de 2011 subiu a 9,70%.FRASEDelfim NettoEx-ministro da Fazenda "Boa notícia é que o mundo não vai acabar. É importante que em meados de 2010 o Brasil cresça 4%, 4,5% porque garante continuidade da ordem atingida em 15 anos''

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.