Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Petrobrás destaca ‘eficiência’ de Shell e Total em comunicado aos investidores

Experiência internacional de empresas participantes do consórcio vencedor do leilão de Libra foi citada em fato relevante publicado nesta segunda-feira

Eulina Oliveira, da Agência Estado,

21 de outubro de 2013 | 18h40

A Petrobrás divulgou nesta segunda-feira, 17, comunicado sobre o leilão do campo de Libra, no pré-sal, o qual foi vencido pelo consórcio formado pela estatal (10%), Shell (20%), Total (20%), CNPC (10%) e CNOOC (10%). Desse modo, somando os 30% que, por lei, já eram da Petrobrás, a empresa terá 40% de participação no grupo.

O resultado do leilão, embora já fosse esperado, animou o mercado. As ações da empresa foram as maiores responsáveis por levar o Ibovespa ao maior nível em 5 meses nesta segunda-feira.

"A companhia considera que a integração das habilidades e experiência dos consorciados em Libra, em especial Shell e Total, que por sua ampla atividade internacional em oportunidades em águas profundas e pela grande experiência em gerenciamento da concepção e implantação de megaprojetos na área de energia, virão contribuir de forma significativa para a obtenção de resultados mais eficientes na implantação da melhor solução para a produção da acumulação", diz a companhia, no fato relevante assinado pelo diretor financeiro e de Relações com Investidores, Almir Barbassa.

"A participação das companhias chinesas CNPC e CNOOC, complementa os requisitos exigidos para um consórcio forte e atuante, pela robustez financeira apresentada e pelo histórico de relacionamentos anteriores de empresas chinesas com outras áreas de negócios da Petrobrás", acrescenta a companhia.

A estatal destaca, no comunicado, que o contrato a ser assinado estabelece que a fase exploratória do bloco terá duração de quatro anos. No período, o consórcio deverá realizar as atividades do programa exploratório mínimo que prevê levantamentos sísmicos 3D em toda a área do bloco, a perfuração de dois poços exploratórios e a realização de um teste de longa duração.

O consórcio também deverá cumprir porcentuais mínimos de conteúdo local global em cada fase do projeto, sendo 37% para a fase exploratória; 55% para o desenvolvimento de sistemas de produção previstos para começar a operar até 2021 e 59% para os sistemas com primeiro óleo a partir de 2022.

"A Petrobrás afirma sua confiança no sucesso do desenvolvimento de Libra, suportado pelo expertise desenvolvido, desde 2006, com a descoberta e implantação dos projetos no pré-sal, que hoje atingem produção total superior a 330 mil barris de petróleo por dia (bbl/d) , bem como acredita que Libra é uma das acumulações mais promissoras da área do pré-sal", diz a companhia, no comunicado.

Ainda conforme o fato relevante, "as ações e estratégia empreendidas na licitação foram bem-sucedidas e alinhadas aos fundamentos do Plano de Negócios e Gestão 2013-2017 da Petrobrás, focando disciplina de capital, gestão integrada do portfólio e prioridade para os projetos de exploração e produção no Brasil". A estatal ressalta também que "os indicadores físico-financeiros do Plano de Negócios e Gestão 2013-2017 seguem vigentes e serão oportunamente revisados, no momento em que houver a incorporação dos parâmetros associados ao desenvolvimento de Libra".

"A Petrobrás reafirma o compromisso de continuar investindo em novas áreas exploratórias no Brasil de forma a garantir a recomposição de seu portfólio, disponibilizando os volumes de petróleo e gás natural necessários para a sustentabilidade da curva futura de produção", conclui.

Tudo o que sabemos sobre:
pre sal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.