Petrobras deveria incentivar investimentos de pequenas empresas, diz consultor

O diretor-presidente da Petroleum Environmental Geo-Services (PEG), Milton Franke, defendeu hoje, em palestra sobre a conjuntura mundial da indústria de petróleo e seus efeitos para o Brasil, que o país incentive as pequenas e médias empresas a investir no segmento, com a oferta de blocos em terra. "Os campos maduros que já não interessam a Petrobras e que não atraem as grandes do setor podem ser interessantes para as pequenas empresas, principalmente nacionais, que estão começando a entrar no negócio do petróleo agora", disse Franke, defendendo também a inclusão maciça de blocos terrestres numa próxima rodada de licitações da Agência Nacional de Petróleo (ANP). "A maior parte das grandes companhias no mundo já está comprometida com inúmeros negócios e não deve investir", disse. Ainda segundo o consultor da PEG, prestadora de serviços para ExxonMobil, TotalFinaElf e Petrobras, o Brasil vive momento único na história da indústria petrolífera. "Há a perspectiva de aumento dos preços no mercado internacional, o burburinho de captação de investimentos estrangeiros no setor deve durar ainda até 2005, quando estarão sendo desenvolvidos os projetos já licitados e ainda por vir?.?Além disso, estamos vendo a criação de novas companhias nacionais no setor e ainda há espaço para crescimento em outros lados, seja na exploração, porque o Brasil tem uma extensa área sedimentar a ser explorada, seja na produção, pelo tanto que já foi descoberto e precisa ser produzido; ou ainda na área de refino, que precisa de incentivo urgente da ANP", disse Franke. O semináro "O Setor de Petróleo no Brasil e no Mundo" foi promovido hoje pelo Grupo Multidisciplinar de Consultoria em Petróleo e Gás (Expetro).

Agencia Estado,

16 de julho de 2002 | 16h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.