Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Petrobrás diz que saída de programa da B3 não significaria fraqueza em governança

Criado em 2015, Programa Destaque em Governança das Estatais da B3 permite a adesão apenas de empresas que sigam diversos critérios de governança, incluindo medidas para evitar indicações políticas para cargos chave

Reuters

15 de julho de 2019 | 11h06

A Petrobrás informou nesta segunda-feira, 15, que a eventual saída de um programa da bolsa paulista, a B3, para atestar esforços de empresas estatais do país que buscam melhorar a governança, “não representaria necessariamente um enfraquecimento ou retrocesso nas práticas” da companhia. 

O comunicado foi divulgado após a Reuters publicar, na sexta-feira, com base em fontes com conhecimento da situação, que a estatal estuda sair do Programa Destaque em Governança das Estatais da B3.

Criado em 2015, o programa permite a adesão apenas de empresas que sigam diversos critérios de governança, incluindo medidas para evitar indicações políticas para cargos chave.

A Petrobrás lembrou em nota que muitas das obrigações previstas no programa foram contempladas na Lei n.º 13.303/16. “Além disso, é importante destacar que, após obter a certificação no Programa, a companhia aderiu ao segmento especial de listagem Nível 2 de Governança Corporativa da B3, conforme divulgado ao mercado em 14/05/18, o que atesta o reconhecimento dos avanços obtidos na governança corporativa da Petrobras e seu alinhamento às melhores práticas do mercado”, disse a empresa.

“Vale mencionar, ainda, que, no âmbito específico das estatais, a Petrobras obteve, pela terceira vez consecutiva, nota máxima no Indicador de Governança (“IG-SEST”), elaborado pela Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais – SEST, atualmente vinculada ao Ministério da Economia.”

A empresa disse que sempre vai avaliar suas práticas pensando nos melhores interesses da companhia e dos seus acionistas, “primando sempre por uma maior eficiência e geração de valor, sem, contudo, diminuir os seus controles internos”.

A companhia finalizou a nota afirmando que, caso em algum momento tome a decisão de sair mesmo do programa, eventual decisão será divulgada ao mercado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.