Serpro/ Divulgação
Serpro/ Divulgação

Petrobras recebe documentos de Paes de Andrade e deve dar parecer na sexta-feira

Comitê da estatal vai se reunir no dia 24 para analisar a indicação de Caio Paes de Andrade para comandar a estatal

Mônica Ciarelli, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2022 | 20h00

O Comitê de Elegibilidade (Celeg) da Petrobras recebeu nesta terça-feira, 21, por volta das 15h, a documentação para análise do nome de Caio Paes de Andrade para comandar a companhia, segundo fontes que acompanham o processo.

O envio ocorre um dia após José Mauro Ferreira Coelho renunciar ao cargo de presidente da estatal. A Petrobras confirmou o recebimento dos documentos.

Agora, a documentação será enviada aos integrantes do comitê, que tem um prazo de até sete dias para votar a recomendação ou não do nome de Paes de Andrade.

O Comitê se reunirá na tarde da próxima sexta-feira, 24, para dar seu posicionamento sobre os dados apresentados.

Como o comitê é consultivo, mesmo que seja reprovado, a indicação segue para avaliação do conselho de administração.

O Comitê de Elegibilidade é composto pelos membros do conselho de administração e do Comitê de Pessoas (Cope), Francisco Petros e Luiz Henrique Caroli, e pelos membros externos do Cope, Ana Silvia Matte e Tales Bronzato.

Além disso, o conselheiro de administração Marcelo Mesquita, eleito pelos acionistas minoritários detentores de ações preferenciais, foi convidado para a reunião.

Troca de comando

Caio Paes de Andrade é o atual secretário de Desburocratização do Ministério da Economia e foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro no fim de maio para assumir a presidência da estatal. Se aprovado, ele será o quarto executivo a comandar a empresa no governo Bolsonaro

Na segunda-feira, 20, José Mauro Coelho renunciou à presidência da Petrobras e abriu caminho para que o governo agilize a entrada de Paes de Andrade no cargo, como quer o presidente Jair Bolsonaro. Mesmo assim, ainda restam algumas etapas a serem cumpridas até que a mudança se concretize. 

Seu nome precisa ser avaliado pelo Comitê de Elegibilidade e, depois, aprovado pelo conselho de administração, que conta com membros indicados pelo governo. 

 

Paes de Andrade entraria no conselho de administração no lugar de Coelho e ficaria como presidente interino até ser ratificado em Assembleia Geral Ordinária (AGO), em abril de 2023, que já está marcada, ou, antes disso, em uma Assembleia Geral Extraordinária (AGE), que ainda precisa que ser convocada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.