Petrobras e Braskem devem investir em pólo petroquímico no Peru

Representantes da Petrobras e da Braskem assinaram hoje em Lima, no Peru, um memorando de entendimento com a Petroperu se comprometendo em avaliar aspectos econômicos e tecnológicos no sentido de implementar naquele país um projeto petroquímico integrado para a produção de etileno e polietileno. A assinatura se deu durante reunião no palácio do governo peruano entre os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Alan García. Também foi acertado um acordo de integração energética.Segundo informações do site do governo peruano, em comunicado conjunto, García e Lula afirmaram que ambos os países atravessam uma "nova e promissora etapa em sua aliança estratégica" e que "decidiram concentrar esforços em temas específicos de mútuo interesse, como a cooperação energética e o desenvolvimento fronteiriço".O acordo de integração energética, assinado pelos ministros de Minas e Energia dos dois países, Edson Lobão e Juan Valdivia Romero, permitirá o desenvolvimento de projetos hidrelétricos para a exportação de energia.No encontro dos chefes de Estado, foram firmados ainda convênios complementares e acordos prévios de cooperação técnica e científica, visando a modernização da administração pública no Peru, a prevenção, combate e erradicação do trabalho infantil, além de projetos de biocombustíveis e de vigilância sanitária em portos, aeroportos e fronteiras do Peru.Em seu discurso durante o encontro, Lula destacou os investimentos brasileiros em solo peruano, lembrando que hoje eles superam a marca dos US$ 2 bilhões. "As principais empresas brasileiras trazem empregos, ou seja, mais de 20 mil postos de trabalho direto, trazem tecnologia e competitividade", disse Lula. E enalteceu a presença da Petrobras em projetos no exterior. "A Petrobras sofria da síndrome do medo de ser grande. Ela fez menos investimentos no exterior do que está fazendo agora, porque agora tem uma definição do governo brasileiro de que a Petrobras não pode ter medo de exercer o papel que precisa exercer no mundo". Lula lembrou que a Petrobras chegou ao Peru em 2002 e hoje é a segunda maior petroleira no país. "E nós vamos trabalhar para que ela invista mais e mais rápido do que está investindo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.