Petrobras e Petroecuador assinam convênio de aliança estratégica

A Petrobras e a empresa estatal petrolífera equatoriana Petroecuador assinaram nesta sexta-feira em Quito um convênio para levar adiante uma aliança estratégica que permitirá fortalecer a cooperação e os negócios entre ambas companhias.O presidente da Petroecuador, Walter López, e o diretor internacional da Petrobras, Nestor Cunat, assinaram o convênio em Quito, na presença do ministro equatoriano de Energia, Iván Rodríguez.O diretor internacional da Petrobras assegurou que a companhia procura aumentar seus investimentos no Equador e por isso destacou a aliança estratégica com Petroecuador. "Não há melhor maneira de aumentar nossos investimentos, nossa presença no Equador que (fazê-lo) com a Petroecuador", disse Cunat.O convênio com a Petroecuador "vai nos permitir desenvolver e cooperar em todas as atividades de energia no Equador", acrescentou o alto funcionário da Petrobras, após anunciar que os investimentos efetuadas por sua companhia no país andino somam US$ 460 milhões.A Petrobras explora alguns campos petrolíferos na Amazônia equatoriana e não descarta a participação em uma nova área de produção, que o Equador estuda fazer a licitação, conhecido como o bloco Ishpingo-Tambococha-Tiputini (ITT).Cunat disse que se o Equador abrir a licitação do ITT a Petrobras apresentará sua oferta e indicou que, além disso, a empresa prevê investir este ano aproximadamente US$ 160 milhões para desenvolver os campos que tem atualmente na Amazônia equatoriana. O ministro explicou que a aliança estratégica permitirá desenvolver atividades petrolíferas de "mútuo interesse em prospecção, exploração, transporte, armazenamento, industrialização, comercialização, serviços petroleiros, fortalecimento institucional, gestão ambiental e capacitação".Rodríguez indicou que o convênio terá vigência por cinco anos, renovável automaticamente por vontade das partes, e afirmou que as duas empresas criarão um comitê executivo para levar adiante os projetos que possam ser concretizados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.