Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Petrobrás e Statoil vão ampliar parcerias em futuros leilões

Em memorando de entendimento, empresas também afirmaram que farão um esforço conjunto para potencializar competências técnicas

Karin Sato, Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

30 de agosto de 2016 | 10h44

SÃO PAULO - A Petrobrás anunciou nesta terça-feira, 30, que fechou um acordo de parceria com a norueguesa Statoil. Segundo a companhia do País, as duas empresas podem cooperar em licitações futuras e em campos de produção no Brasil.

As companhias assinaram hoje um memorando de entendimentos que prevê parcerias em campos maduros offshore, potencializando suas competências técnicas, com o objetivo de otimizar os fatores de recuperação de petróleo desses ativos, que estão localizados nas bacias de Campos e Santos.

Além disso, o memorando prevê o esforço para participação conjunta em futuras licitações de áreas exploratórias. Com isso, as empresas dão continuidade à parceria que já têm no Brasil e no exterior e capturam valor por meio do uso de novas tecnologias de aumento de recuperação de petróleo e da simplificação de atividades operacionais.

Segundo o presidente da petroleira brasileira, Pedro Parente,  a estatal norueguesa Statoil é uma "parceira prioritária da Petrobrás". "A Statoil já é uma parceira de longa data e eles têm tecnologias que nos interessam bastante, como a de aumentar o porcentual de extração das reservas dos campos. Isso para nós é uma coisa extremamente relevante para utilização nos campos que já estão maduros ou em fase de redução. Essa tecnologia deles tem um interesse muito especial para nós", afirmou, em áudio divulgado pela assessoria de imprensa.

Parente disse que as duas empresas ainda não definiram por quais áreas vão concorrer juntas no leilão do pré-sal marcado para o ano que vem, porque ainda aguardam que o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) anuncie os blocos da concorrência. "Pode ser que as empresas tenham visões diferentes sobre as áreas ofertadas e nada impedirá que a gente participe de maneira isolada. Mas o objetivo é fazer com que a gente possa trocar informações e experiências sobre as áreas que venham a ser colocadas em leilão para que a gente possa, eventualmente, concordar com uma parceria numa dessas", afirmou.

Atualmente, a Petrobrás e a Statoil estão consorciadas em 13 blocos, em fase de exploração ou de produção, sendo 10 no Brasil e 3 no exterior. As duas companhias pretendem trabalhar juntas para otimizar o aproveitamento do gás, incluindo sua infraestrutura e monetização. A Petrobrás e a Statoil podem ainda considerar investimentos conjuntos em projetos de escoamento e processamento, inclusive com a atração de novos parceiros.

O memorando assinado hoje não tem cláusulas vinculantes, porém indica a intenção de ambas empresas em trabalhar conjuntamente, num horizonte de dois anos, para viabilizar esses projetos. Os valores envolvidos dependerão das negociações que serão feitas a partir da assinatura do documento, diz a Petrobrás.

Parente, ressaltou também que a Statoil possui "níveis muito altos de recuperação de petróleo em seus campos de produção". "Nós teremos acesso a essa experiência e know-how através de um parceiro, com benefícios óbvios para os dois lados", disse.

Vale lembrar que em julho a Statoil anunciou a compra de uma fatia de 66% numa concessão offshore da Petrobrás no Brasil, que inclui a gigantesca descoberta na área de Carcará, numa tentativa de fortalecer sua produção ao longo da próxima década. / COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES NEWSWIRES E REUTERS

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.