Sérgio Moraes/Reuters
Sérgio Moraes/Reuters

Petrobrás vai pagar PLR de R$ 1 bilhão aos funcionários

Acordo prevê que os petroleiros sejam remunerados mesmo na ausência de lucro; estatal teve prejuízo de R$ 21,6 bilhões em 2014 e não pagará dividendos aos acionistas

Vinicius Neder, O Estado de S. Paulo

28 Maio 2015 | 11h44

RIO - A Petrobrás confirmou à Federação Única dos Petroleiros (FUP) que pagará Participação nos Lucros e Resultados (PLR) a todos os empregados, como deliberado na Assembleia Geral Extraordinária de acionistas, realizada na última segunda-feira. A FUP calculou que a estatal e suas subsidiárias pagarão um total de R$ 1,04 bilhão a título de PLR, segundo informou em nota publicada em seu site. A decisão foi tomada pelo conselho de administração da estatal em abril.

"Fruto de uma luta histórica da FUP por regras claras e democráticas para a PLR, o acordo prevê que os petroleiros sejam remunerados, inclusive na ausência de lucro, desde que alcançados os resultados operacionais", diz a nota da FUP, numa referência ao fato de a Petrobrás ter registrado prejuízo de R$ 21,587 bilhões em 2014, o primeiro resultado negativo anual desde 1991.

Segundo carta enviada pela Petrobrás à FUP, também disponível no site da federação, os empregados receberão PLR equivalente à "metade da remuneração do empregado acrescido de metade do menor valor pago da PLR no exercício anterior". As condições de pagamento estão previstas no Acordo Coletivo de Metodologia para Definição e Pagamento de PLR no Sistema Petrobrás. 

A carta não faz menção ao valor global a ser pago pela Petrobrás. Procurada por meio de sua assessoria de imprensa, a estatal não respondeu até o fechamento desta nota.

Na nota publicada em seu site, a FUP faz referência à polêmica em torno da decisão, anunciada pelo presidente Aldemir Bendine, de não pagar dividendos aos acionistas, por causa do prejuízo do ano passado. Segundo a federação sindical, os acionistas "choram por dividendos".

Na reunião do conselho de administração que aprovou os resultados de 2014, em abril, houve embate sobre esse assunto. Alguns conselheiros defenderam o não pagamento da PLR, já que houve prejuízo e não haveria pagamento de dividendos.

"Os acionistas da Petrobrás bem que tentaram, mas desta vez não receberão dividendos. Revoltados, chegaram a criticar a empresa por agir de forma diferente com os trabalhadores. A mídia, como sempre, se aproveitou do fato para emplacar suas manchetes tendenciosas", diz um trecho da nota.

Mais conteúdo sobre:
petrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.