Petrobras e Vale levam Bovespa abaixo dos 65 mil pontos

A Bolsa de Valores de São Paulo(Bovespa) deu as costas ao otimismo dos mercadosnorte-americanos e fechou o pregão desta quinta-feira em quedapelo segundo dia, pautada por realização de lucros. Sob liderança das ações de Petrobras e Vale, as maisimportantes da carteira, o Ibovespa caiu 0,57 por cento, aos64.576 pontos. O giro financeiro foi de 6,1 bilhões de reais. De acordo com profissionais do mercado, o movimentoacompanhou a queda nas cotações de commodities internacionais,ilustrada pelo declínio de 1,9 por cento no preço do petróleoem Nova York. As ações preferenciais da Vale, com o quinto piordesempenho do Ibovespa, caíram 2,8 por cento, a 51,21 reais;enquanto as da Petrobras recuaram 2,1 por cento, a 83,20 reais. "Os papéis da Petrobras também refletiram a reação domercado ao conteúdo da ata do Copom", disse Miguel Daoud,diretor da consultoria Global Financial Advisor, referindo-seao documento do Banco Central divulgado nesta quinta-feira, noqual o órgão reiterou que não prevê reajuste dos preçosdomésticos dos combustíveis em 2008. Também foram penalizadas as ações de siderúrgicas, um dossetores mais valorizados da Bovespa em abril. As açõesordinárias da Companhia Siderúrgica Nacional tiveram baixa de2,81 por cento, a 70,56 reais. Ainda na ponta negativa, as ações ordinárias da Cosanperderam 1,9 por cento, a 26,50 reais, após a companhia teranunciado pela manhã a compra dos ativos da Esso no Brasil. A pressão sobre o índice foi amortecida em parte pelosganhos das ações do setor bancário, o mesmo que conduziu oíndice Dow Jones da Bolsa de Nova York a uma alta de 0,67 porcento. Em destaque positivo, as ações ordinárias do Banco doBrasil subiram 3,1 por cento, a 25,32 reais. A instituição informou nesta quarta-feira que pretendelistar American Depositary Receipts (ADR) na Bolsa de Nova Yorkaté junho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.