Petrobrás e Vale limitam queda da Bovespa a 0,28%

Bolsa fechou aos 66.327,28 pontos pouco influenciada pelo início da cobrança de IOF nas ADRs

Claudia Violante, da Agência Estado,

19 de novembro de 2009 | 18h33

O início da vigência da cobrança de 1,5% de IOF na emissão de recibos de ações de empresas brasileiras negociados no exterior (Depositary Receipts, DRs) ficou em segundo plano nesta quinta-feira, 19, na Bovespa. Na prática, o principal índice à vista operou em baixa na maior parte do dia acompanhando o tombo das bolsas internacionais. O que não significa que os investidores tenham gostado da medida anunciada na quarta-feira, 18, pelo governo. Sobraram reclamações, sobretudo ao aumento das incertezas.

 

Veja também:

link Cautela global eleva dólar; mercado reage mal a IOF

 

A Bolsa terminou esta quinta-feira, 19, em baixa de 0,28%, aos 66.327,28 pontos. Na mínima, atingiu 65.547 pontos (-1,46%) e, na máxima, 66.564 pontos (+0,07%). Na semana em que renovou o patamar recorde de 2009 - na sexta-feira, 20, não haverá pregão por causa do feriado do Dia da Consciência Negra -, conseguiu acumular alta de 1,53%. Em novembro, sobe 7,77% e, no ano, 76,64%. O giro financeiro totalizou R$ 5,722 bilhões. Os dados são preliminares.

 

Mesmo com a medida do IOF fresquinha, a Bolsa se rendeu à influência do clima negativo no exterior. Os investidores resolveram embolsar um pouco de lucros em razão dos sinais de que a recuperação econômica global deve ser lenta - pelo menos os indicadores nos Estados Unidos não estão mostrando uma trajetória uniforme. Tampouco os dirigentes daquele país têm entregado mensagens assim tão otimistas.

 

Na quarta-feira, 18, por exemplo, o presidente Barack Obama admitiu a possibilidade de uma recessão na forma de W caso a dívida do país continue crescendo - outra possibilidade dada a necessidade de estímulo à economia. Nesta quinta-feira, 19, os números conhecidos até vieram bons, mas não justificaram a sustentação do ritmo de compras que alçou o S&P 500 de volta aos 1,1 mil pontos.

 

O número de trabalhadores norte-americanos que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego ficou estável em 505 mil, ante previsão de aumento de 4 mil; o índice de atividade industrial do Federal Reserve Bank de Filadélfia subiu de 11,5 em outubro para 16,7 em novembro, acima da previsão de alta para 12; o índice de indicadores econômicos antecedentes dos EUA subiu 0,3% em outubro, mas ficou abaixo da estimativa de expansão de 0,4%.

 

Dow Jones operava, às 18h17, em baixa de 1,08%, S&P 500, de 1,52%, e Nasdaq, de 1,79%.

 

Na Bovespa, apesar da queda das commodities metálicas e do petróleo, as blue chips Petrobrás e Vale terminaram em alta. As ações da estatal mostraram resiliência ao longo da sessão, mas a mineradora virou para cima apenas faltando pouco mais de uma hora de pregão, ajudando a garantir uma perda menor ao Ibovespa.

 

Segundo um especialista de renda variável de uma corretora paulista, a Petrobrás vem já há alguns dias dando suporte ao Ibovespa em razão das expectativas favoráveis ao pré-sal. Ele ainda citou o balanço da empresa, mas lembrou que o aumento de capital, quando acontecer, pode prejudicar os papéis.

 

Petrobrás ON terminou a quinta-feira, 19, em elevação de 0,27% e PN, de 0,79%. Na Nymex, o contrato para dezembro caiu 2,66%, a US$ 77,46.

 

Vale ON subiu 0,23% e PNA, 0,47%. A mineradora anunciou nesta quinta que acaba de retomar a operação das duas últimas pelotizadoras que ainda não haviam sido reativadas: a de São Luís, no Maranhão, e a de Fábrica, em Congonhas (MG). No auge da crise, a empresa operou apenas com três das suas 12 pelotizadoras.

 

Já sobre o IOF, a reação ficou para o verbo e pouco para os preços. "O anúncio não trouxe nada de novo, foi só uma correção de assimetria", foi o que mais se ouviu nas mesas, bem como que o governo acabou gerando um fator de instabilidade aos ativos. Os estrangeiros também não economizaram nas críticas.

 

Os especialistas concordaram, no entanto, que o governo fechou uma brecha deixada pela primeira taxação do IOF, corrigindo uma distorção que favorecia a migração de liquidez para Nova York. Essa diferença de custos passou a existir quando o governo instituiu o IOF de 2% na entrada de capital estrangeiro na Bovespa e na renda fixa, no dia 20 de outubro.

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrásValeBovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.