Petrobrás eleva em 63,3% investimentos no pré-sal

Decisão do Conselho de Administração é o primeiro sinal de revisão do plano de negócios [br]da empresa até 2015

Kelly Lima, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2011 | 00h00

A Petrobrás decidiu aumentar em 63,3% os investimentos previstos para serem destinado ao polo do pré-sal na Bacia de Santos, onde está localizada a reserva do campo de Lula (ex-Tupi). A decisão, tomada ontem pelo Conselho de Administração da companhia, é o primeiro sinal de revisão do plano de negócios da empresa, agora para o período de 2011-2015.

Pela revisão, o Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado do Polo Pré-sal da Bacia de Santos (Plansal) receberá investimentos totais de US$ 73 bilhões. Destes, 74%, ou US$ 54,02 bilhões serão investidos pela Petrobrás e o restante por seus parceiros, como a portuguesa Galp, a espanhola Repsol e a britânica BG. Pelo Plano de Negócio para o período anterior, de 2010-2014, seriam investidos US$ 33 bilhões no pré-sal, e US$ 75,2 bilhões nas áreas pós-sal. O plano total para o período previa investimentos de US$ 224 bilhões.

"A tendência é de que conforme o tempo passe o pré-sal participe com uma parcela maior dos investimentos, já que estamos aumentando nossas atividades exploratórias nessa área", disse o diretor financeiro da estatal, Almir Barbassa, sem querer antecipar maiores detalhes da revisão do plano. Segundo ele, os novos números para o período de 2011-2015 deverão ser divulgados até o fim de maio.

Apesar do aumento no volume total dos investimentos, a Petrobrás destacou que a atual revisão do Plansal consolida a tendência de redução dos custos envolvidos para o desenvolvimento da área. Em comparação com a primeira versão do plano, de 2008, houve uma redução de custos de 45% e de 32% com relação ao Plano Diretor do ano passado. A companhia atribui a redução à otimização alcançada na concepção dos projetos de produção, principalmente pela maior produtividade dos poços (incremento médio em torno de 20%) e pelo melhor conhecimento das áreas potencialmente produtoras.

Ainda segundo a companhia, esses investimentos definidos ontem serão os responsáveis por permitir expressivo incremento de produção do pré-sal e "pavimentar o crescimento constante de produção para o período posterior a 2015".

De acordo com a empresa, a estimativa é de que a produção total chegue em 2015 aos 613 mil barris diários de petróleo, operados pela Petrobrás, um acréscimo de 108 mil barris diários em relação ao plano anterior. Desse total, cerca de 60% são próprios e os demais 40% pertencem aos parceiros. Em 2017, a meta de produção anteriormente divulgada de 1 milhão de barris diários de petróleo, será ultrapassada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.