Petrobrás eleva lote de ações e demanda cresce

Maior quantidade de papéis mostrou que a demanda na etapa prioritária foi boa e atraiu investidores reticentes para fazerem reservas

Silvia Araujo, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2010 | 00h00

A oferta da Petrobrás está sendo bem demandada pelos investidores institucionais e pelos de varejo, que têm até amanhã para lançar seus pedidos de reserva. O fato de a empresa ter ampliado o lote adicional de ações após o período de preferência dos atuais acionistas alimentou o apetite dos demais investidores.

Segundo fontes, a maior quantidade de papéis oferecida ao mercado mostrou que a demanda na etapa prioritária foi boa e, dependendo da quantidade de papéis pretendida, os investidores poderão ter de reservar um lote maior para não levar menos no rateio.

Conforme uma fonte, gestores que até na semana passada vinham dizendo que a cotação da ação à vista estava muito alta e não entrariam na operação a esse preço, optaram por garantir sua reserva após o aumento do lote adicional da operação.

Na véspera do encerramento da reserva prioritária, o que se via no mercado era uma forte pressão vendedora, principalmente desses fundos, com intuito de puxar a cotação à vista para baixo. A fonte observou que a alta de ontem dos papéis já começa a traduzir posições que estão sendo montadas com base nos pedidos de reserva.

Além disso, conforme o profissional, investidores que não tinham os papéis para entregar após o exercício das opções estão movimentando as compras na bolsa.

O exercício de opções sobre ações movimentou R$ 3,439 bilhões, de acordo com dados preliminares da BM&FBovespa. O volume foi ligeiramente inferior ao exercício anterior, que movimentou R$ 3,697 bilhões.

Aumento da oferta. Na sexta-feira, a estatal surpreendeu ao publicar um anúncio aumentando a oferta no lote adicional de 10% para 20%. Segundo fontes consultadas pela Agência Estado, a decisão de elevar a quantidade de títulos se deu em razão da resposta dos atuais acionistas no período de preferência, da demanda de um fundo soberano estrangeiro e da queda dos papéis da empresa na bolsa.

A quantidade inicial da oferta global de ações é de 2.174.073.900 novas ON e 1.585.867.998 novas PN, o que de acordo com a cotação de fechamento da sexta-feira, R$ 30,19 a ação ON e R$ 26,44 a PN, somaria R$ 107,56 bilhões, sem levar em consideração os lotes extras. Já com os lotes adicional e suplementar, a operação subiria para a casa dos R$ 134 bilhões.

O preço da ação da Petrobrás na oferta será determinado com base nas cotações de fechamento dos papéis na bolsa no pregão de quinta-feira, e nos pedidos feitos durante o processo de coleta de intenções de investimento. Às 16h29, Petrobrás ON subia 2,55%, a R$ 30,96. Os papéis PN registravam ganho de 3,59%, a R$ 27,39.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.