Petrobrás encontra mais óleo no pré-sal

Reserva, na Bacia de Santos, ainda não foi avaliada

Nicola Pamplona, RIO, O Estadao de S.Paulo

15 de setembro de 2009 | 00h00

A Petrobrás anunciou ontem mais uma descoberta de petróleo no pré-sal da Bacia de Santos. Segundo comunicado divulgado na noite de ontem, o poço Abaré Oeste comprovou, por meio de testes, a existência de óleo no bloco BM-S-9, onde a companhia já tem três descobertas. A estatal, porém, ainda não divulgou estimativa de reservas para o novo poço.

Trata-se da 10ª descoberta de petróleo e gás feita pela companhia na chamada área do pré-sal da Bacia de Santos - região no entorno da reserva gigante de Tupi. Apenas no BM-S-9, além de Abaré Oeste, a Petrobrás anunciou ter encontrado jazidas nos poços Carioca, Iguaçu e Guará. A estatal tem 45% da concessão, a britânica BG tem 30% e a espanhola Repsol, 25%.

"O consórcio dará continuidade às atividades e investimentos necessários para a avaliação da jazida", informou a Petrobrás. A nova descoberta está localizada a 290 quilômetros da costa do Estado de São Paulo, em lâmina d"água (distância entre a superfície e o fundo do mar) de 2.163 metros. O reservatório foi encontrado em uma profundidade final de 5.150 metros.

A área do pré-sal em Santos já tem reservas estimadas em até 14 bilhões de barris de óleo e gás - equivalente às reservas brasileiras atuais. O volume está dividido entre três poços: Tupi (5 a 8 bilhões de barris), Iara (3 a 4 bilhões de barris) e Guará (1,1 a 2 bilhões de barris). Para os outros sete poços, ainda não há projeção oficial de reservas.

O bloco BM-S-9 é apontado como um dos mais promissores da região, ao lado do BM-S-11, onde estão Tupi e Iara. Em 2008, o diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Haroldo Lima, chegou a dizer que o poço de Carioca poderia ter mais de 30 bilhões de barris de petróleo, em declarações que tiveram grande impacto no mercado financeiro.

Interpelado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Lima voltou atrás e disse que falava de uma grande estrutura geológica batizada de Pão de Açúcar, que engloba diversos blocos exploratórios do pré-sal de Santos. Hoje, Lima trabalha com a projeção de 50 a 60 bilhões de barris para todo o pré-sal da Bacia de Santos.

Os planos de avaliação aprovados pela ANP para Carioca e Guará têm como prazos finais os meses de novembro de 2011 e dezembro de 2012, respectivamente. Até lá, a companhia terá de comprovar a comercialidade das jazidas e comprometer-se com um plano de desenvolvimento da produção, que indicará os investimentos necessários para extrair o óleo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.