Petrobrás encontra petróleo de boa qualidade em poço de cessão onerosa

Operação entre a União e empresa, em setembro de 2010, resultou em bilionária capitalização para investimentos

Agência Estado,

23 de maio de 2013 | 19h48

SÃO PAULO - A Petrobrás informou na noite desta quinta-feira, 23, ter concluído perfuração e teste de formação do poço descobridor de petróleo na área da cessão onerosa denominada Florim, no pré-sal da Bacia de Santos.

A cessão onerosa foi uma troca feita entre a União e a Petrobrás, que resultou na bilionária capitalização da companhia em setembro de 2010. O governo "cedeu" barris de petróleo do pré-sal para a estatal e, em troca, recebeu ações da empresa.

Esse poço perfurado localiza-se 2.009 metros abaixo da superfície da água. Fica 206 km longe da costa do Rio de Janeiro. Sua exploração comprovou a descoberta de petróleo de boa qualidade em reservatórios carbonáticos situados logo abaixo da camada de sal, a partir da profundidade de 5.342 metros.

O poço foi concluído na profundidade de 6.004 metros, após atingir os objetivos previstos pelo contrato de cessão onerosa.

Após a conclusão da perfuração foi realizado teste de formação. Foi encontrada excelente produtividade dos reservatórios portadores de óleo de boa qualidade, sem a presença de CO2 e H2S.

A Petrobrás dará continuidade às atividades na área com a perfuração, ainda em 2013, de mais um poço de delimitação.

O contrato de cessão onerosa estabelece um volume de 467 milhões de barris de petróleo para a área de Florim. O final da fase exploratória previsto no contrato é setembro de 2014.

Acima da média. A presidente da Petrobrás, Maria das Graças Foster, afirmou nesta quinta, antes desse anúncio, que a taxa de sucesso da empresa em sua exploração no pré-sal tem sido de 84% - porcentual muito acima da média da indústria mundial.

Apesar do bom desempenho, a executiva explicou que prefere não gerar expectativas. Graça ressaltou que a Petrobrás tem planos de chegar a 2020 com produção de 5,2 milhões de barris.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.