Petrobras estima petróleo com preço mais baixo em 2011

Estatal considera preço mínimo do barril para tornar investimentos viáveis em US$ 35 em 2011, diz coordenador

Tatiana Freitas, da Agência Estado,

17 de julho de 2008 | 14h48

A Petrobras trabalha com projeções de queda para o preço do petróleo no longo prazo para o planejamento de seus investimentos. A informação é do coordenador de Relações com Investidores da estatal, Fábio Xavier, que participou na quarta-feira, 16, de um encontro com investidores promovido pelo Unibanco Investshop, em São Paulo.  Veja também:Preço do petróleo em altaA exploração de petróleo no BrasilA maior jazida de petróleo do País "Trabalhamos para 2011 e 2012 com um preço mais baixo do que o atual. A estratégia da companhia considera cotações menores do que as praticadas hoje no mercado internacional", disse o executivo, sem precisar qual é a previsão da companhia para os preços nos próximos cinco anos. No entanto, em linha com declarações anteriores de outros executivos da empresa, Xavier afirmou que a Petrobras trabalha com um "preço de robustez" (preço mínimo para o barril do Brent para que os projetos de investimento tornem-se viáveis, incluindo os do pré-sal) de US$ 35 por barril para 2012. "Isso significa que o barril deve custar no mínimo US$ 35 para que os projetos valham a pena. Acima disso, é lucro", afirmou. Para este ano, a Petrobras trabalha com um preço de robustez de US$ 55 o barril. Para o próximo ano, este valor cai a US$ 50 o barril. Para 2010, a companhia trabalha com US$ 45 por barril e, para 2011, já com US$ 35 por barril. Questionado por um investidor sobre a viabilidade da exploração de óleo abaixo da camada de sal diante de uma perspectiva de queda do preço do óleo, Xavier ressaltou que atuar no setor de petróleo apresenta riscos elevados, em razão dos altos investimentos que são necessários, mas que a Petrobras possui uma taxa de sucesso superior à de seus pares. "Em Tupi, a taxa de sucesso dos poços testados é de 100%", ressaltou. A meta de produção de óleo equivalente da Petrobras é de 3,494 milhões de barris por dia (boed) em 2012, ante os 2,367 milhões de boed produzidos atualmente (segundo a média para 2008, até junho). Para 2015, a previsão da companhia é de uma produção de 4,153 milhões de boed, o que implica em um crescimento de 7,7% ao ano.

Mais conteúdo sobre:
PetróleoPetrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.