Petrobras estuda criar pólo gás-químico no sul do Peru

A região sul do Peru é o destino mais provável do investimento que a Petrobras estuda fazer em um novo pólo gás químico internacional, segundo revelou ontem o diretor da área internacional da estatal, Nestor Cerveró. Os planos da construção de uma petroquímica na América do Sul já haviam sido citados pelo executivo no detalhamento do plano de investimentos da companhia, em setembro. À época, ele negou que estes investimentos iriam para a Venezuela - onde a Braskem já estuda construir uma unidade - ou para a Bolívia - país em que a própria estatal também retomou planos de investimentos em uma central química.Segundo Cerveró, a Petrobras deverá entrar no negócio no Peru em parceria com a Braskem, que também estuda a viabilidade do investimento. "Ainda não há nada concreto, apenas a intenção do governo peruano de instalar este pólo gás químico na região, que é a mais pobre do país, com o objetivo de promover seu desenvolvimento", explicou. De acordo com ele, a Petrobras está aguardando definições do governo peruano sobre a forma que se dará o investimento. A Petroperu, estatal petrolífera peruana, também deverá entrar como parceria no negócio. Cerveró não detalhou os investimentos necessários ou o volume a ser produzido na unidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.