Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Petrobrás estuda redução no preço dos combustíveis

Objetivo da estatal seria evitar que queda na cotação internacional do petróleo estimule a concorrência com outras distribuidoras

Antonio Pita, Fernanda Nunes, O Estado de S. Paulo

06 de janeiro de 2015 | 21h20

A Petrobrás estuda reduzir os preços de combustíveis para evitar a concorrência com outras distribuidoras. Fontes próximas à companhia informaram que a petroleira tem calculado e analisado cenários possíveis diante da movimentação de empresas interessadas em importar e revender combustível no País. Com o baixo preço internacional do petróleo, distribuidoras têm se mobilizado para aproveitar o cenário doméstico favorável e competir em preço com a estatal.

Até o momento, entretanto, não há uma decisão. O tema tem sido discutido entre diretores da companhia e foi levado ao conselho de administração, embora uma decisão dependa também do governo federal.

Para a Petrobrás, a opção de rebaixar os preços seria uma estratégia para “proteger a posição de mercado”. “A Petrobrás não pode manter o preço muito acima do mercado internacional por muito tempo, pois já tem empresas se movimentando, em termos de logística, para aproveitar a oportunidade de importação”, informou uma fonte ligada à empresa.

Com a queda no preço internacional do petróleo desde o início de outubro, e após o reajuste de combustíveis em novembro, a gasolina no País está com preço até 60% superior ao de mercados internacionais, como o do Golfo do México. O diesel está até 40% mais caro, segundo cálculos do Centro Brasileiro de Infraestrutura (Cbie).

Logo após o reajuste, distribuidoras deram os primeiros sinais de que poderiam forçar uma competição de preços com a estatal, importando combustível e repassando a diferença ao consumidor. Atualmente, a Petrobrás, por meio da subsidiária BR Distribuidora, concentra cerca de 40% do mercado de distribuição de combustíveis no País.

Na avaliação do presidente do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes (Sindicom), Alísio Vaz, ainda que a redução do preço seja confirmada, dificilmente o preço cairá para o consumidor final. Isso porque a retomada da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) é tida como certa. O tributo foi zerado em 2012, para que a Petrobrás pudesse reajustar os preços sem gerar impacto nos orçamentos das famílias e na inflação.

Defasagem. A redução dos preços dos combustível, entretanto, dificultaria a recuperação do caixa da Petrobrás. A companhia passou os últimos três anos com grande defasagem no preço interno em relação ao mercado internacional, onde a cotação do petróleo se manteve por um longo período acima de US$ 100. Contatada, a Petrobrás informou que o objetivo de sua política de preços é “não repassar a volatilidade dos preços internacionais ao consumidor doméstico, seja para mais ou para menos”.

Recuo. A Agência Nacional do Petróleo (ANP) informou nesta terça-feira que a produção de petróleo em novembro caiu 1,5% em comparação ao mês anterior. Em relação a igual mês de 2013, cresceu 13,3%. “A redução na produção em relação a outubro de 2014 deveu-se, em grande parte, a paradas para manutenção realizadas em algumas plataformas em novembro”, informou a ANP. A produção de petróleo atingiu 2,358 milhões de barris de petróleo por dia e a de gás, 91,7 milhões de m³/dia. A queda na produção atingiu até mesmo as áreas do pré-sal.

Tudo o que sabemos sobre:
petrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.