finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Petrobras: exportação de álcool ficará abaixo da meta

A Petrobras vai fechar o ano com exportações de álcool "bem abaixo" da meta de 850 milhões de litros prevista inicialmente, admitiu hoje o diretor de Abastecimento e Refino, Paulo Roberto Costa. Segundo ele, problemas técnicos impediram as exportações de álcool que estavam sendo negociadas com a Nigéria e a Venezuela, no volume de 20 milhões de litros para cada um dos países.No caso da Venezuela, a estatal havia anunciado em maio que estava fechando um contrato mensal para a exportação desse mesmo volume até o fim de 2007. No ano passado, a Petrobras exportou 120 milhões de litros de álcool para a Venezuela. "Foram questões técnicas, acertos que ainda estão faltando", disse Costa, sem especificar o motivo da suspensão do embarque.Já sobre a Nigéria, Costa disse que houve uma falha na especificação do duto que transportaria o álcool dentro da Nigéria, que impediria o primeiro embarque ao país. A intenção da Petrobras também era de desenvolver com a Nigéria um contrato para embarque mensal do combustível.Segundo o diretor, a Petrobras direcionou o álcool para os Estados Unidos. "A Petrobras tem um sistema de tancagem no Caribe, para onde destina o seu álcool, antes de ele encontrar mercado nos Estados Unidos", disse. Costa não soube quantificar qual seria o volume total a ser exportado pelo Brasil este ano. A Petrobras já havia enviado no primeiro semestre uma carga de 12 milhões de litros aos Estados Unidos e outra a título de testes - não especificada a quantia pelo diretor - para o Japão.UsinasO diretor ainda confirmou hoje que estão para ser aprovados os investimentos da Petrobras em cinco usinas de produção de álcool, sendo duas em Goiás e três no Mato Grosso do Sul, no volume de 200 milhões de litros cada uma, com investimentos de R$ 150 milhões por unidade."Será um total de um bilhão de litros a ser exportado principalmente para o Japão já a partir de 2009", disse o diretor. Segundo ele, a Petrobras vai participar do investimento juntamente com a japonesa Mitsui. As empresas juntas terão uma fatia máxima de 30% do capital acionário de cada uma das usinas.

KELLY LIMA, Agencia Estado

28 de agosto de 2007 | 19h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.