Petrobras faz acordo e libera gasoduto Campinas-Rio

A Petrobras conseguiu desatar o nó que estava impedindo a conclusão do gasoduto Campinas-Rio e prevê que a obra esteja operando entre março e abril de 2008, informou a diretora de Gás e Energia da companhia, Maria das Graças Foster. Segundo ela, a estatal fechou acordo com os donos do terreno por onde passa o gasoduto na região de Resende, divisa dos Estados do Rio de Janeiro e São Paulo.Os proprietários da área haviam obtido na Justiça decisão favorável que impedia a construção do trecho de 600 metros do duto ao longo de sua área. Todo o restante da obra, que tem um total de 450 quilômetros e demandou investimentos de US$ 300 milhões, estava concluído, faltando apenas este pequeno trecho.O gasoduto tem importância estratégica para o abastecimento de gás natural no mercado nacional, pois vai levar 8,7 milhões de metros cúbicos, permitindo o escoamento do gás produzido na Bacia de Campos aos municípios atendidos hoje somente pelo Gasbol (que traz o combustível boliviano) e, em outra via, levar o suprimento da Bolívia para atender termelétricas da estatal.A diretora não deu mais detalhes sobre o acordo, mas afirmou que está sendo "costurado um acabamento jurídico necessário". "Acreditamos que seremos bem sucedidos", disse Maria das Graças, destacando que a obra é importante para "evitar contingenciamentos de gás natural ao mercado brasileiro no futuro".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.